EDITORIAL

O Mercadão merece mais

As obras de revitalização do Mercado Municipal começam a mudar, positivamente, um dos espaços mais frequentados e queridos pelos mogianos. Neste ano, em uma das pesquisas feitas por este jornal, sobre os grandes símbolos de Mogi das Cruzes, o Mercadão foi um dos destaques.

Os serviços acabaram coincidindo com o período de início das compras de final de ano e de maior movimentação de consumidores. Menos mal que a decisão de cuidar do centro de compras não tenha sido ser postergada para o próximo ano, e a realização de serviços no período da noite minimize os impactos que eles poderiam provocar na rotina de compras e visitas.

Eram muito esperadas e cobradas essas intervenções, principalmente as mais urgentes, como a instalação de hidrantes, recomendada pelo Corpo de Bombeiros, e a melhoria do sistema de derrapagem no piso. Os escorregões e quedas de consumidores e funcionários estavam saindo do controle.

O Mercadão tem a imagem de um lugar plural, conhecido por receber um público familiar, com pessoas de diferentes idades e classes sociais, sobretudo, consumidores mais velhos, que mantém a fidelidade a antigos comércios dali. A Prefeitura pretende corrigir esse item de insegurança.

Uma etapa do projeto coordenado pela Secretaria Municipal de Agricultura deve terminar até o final desta semana, mas os trabalhos prosseguirão com a substituição de telhas danificadas que provocam goteiras e mais riscos de quedas no antigo piso escorregadio.

A cor do chão mudou. Sai o verde, chega um azul vívido. Quem passa pelo local, nota uma mudança positiva. O Mercadão merece todos esses cuidados.

Alguns dos detalhes planejados pela Pasta farão diferença como a correção no descarte do lixo, o fim de uma água que sempre escorria perto dos boxes de carnes, aves e peixes.

Ainda não será dessa vez, é bem verdade, que um dos mais antigos e tradicionais centros de compras da Região de Mogi das Cruzes receberá um investimento de peso. Para, por exemplo, a plena substituição do piso.

O que se percebe é que foi feito o que dava para fazer com os recursos disponibilizados para a conservação de um patrimônio histórico, cultural e comercial que gera emprego, imposto e renda.

No passado recente, o que tem sido feito pelo Mercado Municipal costuma ficar aquém das expectativas. Os governos municipais o consideram, mas tem prevalecido a impressão que daria para se dar um passo a mais.