CARTAS

O tucano e a pesquisa

Enquanto Jair Bolsonaro (PSL-RJ) nada de braçada para chegar ao segundo turno, já que lidera esta corrida presidencial para o Planalto, com 26%, segundo a última pesquisa o Ibope, o quádruplo empate técnico para segunda vaga do segundo turno, com Ciro Gomes (PDT-CE) com 11%, Marina Silva (Rede-AC) e Geraldo Alckmin (PSDB-SP) com 9%, e Fernando Haddad (PT-SP) com 8%, será uma disputa bem complicada, principalmente para o candidato tucano, que vai precisar crescer muito em seu reduto, o Estado de São Paulo. Na última pesquisa Datafolha, Alckmin, tinha apenas 18%, e vai precisar no mínimo alcançar 35% dos 33 milhões de eleitores do seu Estado para tentar disputar o segundo turno. Isso levando em consideração que na pesquisa do Ibope, o tucano tem 9% nas regiões Norte/Centro-Oeste, 7% no Nordeste, 8% no Sul, e no Sudeste, outros 10%. E agora com seu colega de partido, o ex-governador do Paraná, Beto Richa, preso, e outro tucano como Reinaldo Azambuja, governador do Mato Grosso do Sul, que sofreu busca e apreensão da Polícia Federal, por fortes indícios de corrupção, a tarefa de Geraldo Alckmin, para convencer o eleitorado fica redobrada.

Paulo Panossian
paulopanossian@hotmail.com