Obra de avenida enfrenta lixão no Nova Mogilar

Lixão escondido sob a vegetação da área que receberá a nova via foi ‘desagradável surpresa’ / Foto: Edson Martins
Lixão escondido sob a vegetação da área que receberá a nova via foi ‘desagradável surpresa’ / Foto: Edson Martins

Um enorme depósito de lixo, formado especialmente por uma grande quantidade de material plástico, foi encontrado no início do movimento de máquinas para construção de uma rotatória da nova avenida, ainda sem denominação oficial, que está sendo implantada para ligar as avenidas Antonio de Almeida e Yoshiteru Onishi, nos fundos dos dois blocos de 750 apartamentos cada que a MRV Engenharia está erguendo no Bairro Nova Mogilar.

Situado entre a margem da Avenida Antonio de Almeida e o Rio Tietê, o lixão que estava escondido sob a vegetação ali existente foi uma “desagradável surpresa” para os dirigentes da MRV, responsáveis pela execução da obra, uma contrapartida da empresa para a construção do enorme conjunto habitacional, que poderá encarecer um pouco mais o trabalho, já que do local deverão ser retirados 400 m³ de terra misturada com detritos, que irão exigir pelo menos 40 viagens para condução até um aterro sanitário, que ainda está sendo negociado pela empresa, segundo Arnaldo Hideki Nonaka, engenheiro da MRV.

Todo solo retirado do local está sendo substituído por rachões de pedra, necessários para garantir a qualidade do piso da alça da futura rotatória, que deverá receber um tráfego intenso,quando estiver interligada com uma outra, recentemente inaugurada na Avenida Francisco Rodrigues Filho, próximo à ponte do Rio Tietê, no caminho para César de Souza.

Vistoria

Os problemas causados pelo inesperado depósito de lixo e outros pontos da futura avenida, que deverá ser concluída e liberada ao tráfego em julho próximo, foram vistoriados, ontem de manhã, pelo prefeito Marco Bertaiolli (PSD), o vice Cuco Pereira (PSDB) e o secretário Nilmar de Cássia, de Serviços Urbanos, juntamente com um engenheiro da MRV Engenharia e o representante da empreiteira Melpe, subcontratada pela empresa habitacional para execução da obra rodoviária. (Darwin Valente)

Leia a matéria completa na edição impressa


Deixe seu comentário