LEVANTAMENTO

Observatório do Crack deverá ser atualizado até o fim do ano; Mogi estava com alto nível

Inauguração do Caps AD na Cidade está sendo definida, mas deverá ocorrer até outubro. (Foto: Divulgação)
Inauguração do Caps AD na Cidade está sendo definida, mas deverá ocorrer até outubro. (Foto: Divulgação)

A Confederação Nacional dos Municípios (CNM) prepara a atualização do Observatório do Crack, que mostra a incidência do entorpecente nas cidades. O resultado será divulgado até o final deste ano, mas até o momento, mesmo já tendo recebido o pedido de atualização de dados, Mogi das Cruzes não enviou as informações à Confederação. As referências de 2013 mostram que a Cidade estava no nível vermelho, considerado alto.

A Prefeitura informou que já respondeu as questões da saúde e está concluindo algumas informações relacionadas à assistência social, uma vez que o trabalho é realizado em conjunto. “É importante ressaltar que o questionário chegou no último dia 30/7 e não há prazo estipulado para entrega das informações”, destacou a Secretaria de Saúde.

Ainda segundo a Administração Municipal, a estimativa do número de dependentes de drogas é um desafio, uma vez que a grande maioria não reconhece a dependência e nem está em atendimento. Atualmente, cerca de 400 pessoas fazem tratamento no Ambulatório Municipal de Saúde Mental e nas unidades de saúde que prestam acolhimento a pacientes com dependência química.

Para classificação do nível, o responsável mensura, conforme a realidade municipal, qual a melhor classificação. Geralmente, eles utilizam informações das áreas de saúde, segurança e assistência social. Por exemplo, na área de saúde e assistência social, eles mencionam a estrutura existente no Município para atender a demanda de usuários de drogas e de seus familiares. Geralmente há falta de equipamentos ou então o número destas estruturas não consegue suprir a demanda, segundo a equipe do CNM.

A Cidade sofre com a falta de equipamentos especializados para tratamento do dependente químico. Um dos exemplos é a unidade do Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (Caps-AD). Segundo a Prefeitura, a data de inauguração do Caps AD está sendo definida, mas deverá ocorrer até outubro.

“A unidade deverá passar por serviços de manutenção necessários em função de avarias ocorridas no período em que o prédio ficou fechado e, paralelamente, a Secretaria Municipal de Saúde está finalizando o processo de chamamento público para contratação da organização social especializada para gerenciamento da unidade”, trouxe a nota enviada a O Diário.

Mogi conta atualmente com seis equipamentos de atenção psicossocial, entre eles o Centro Especializado em Reabilitação Arnaldo Pezzutti Cavalcanti, com 20 leitos e serviço especializado para tratamento de casos agudos. Lá o paciente recebe acolhimento com escuta qualificada, tratamento ambulatorial/hospitalar e reinserção social, todas individualmente importantes e interligadas, segundo a Secretaria de Estado de Saúde.