PREVENÇÃO

Operação Verão vai receber reforço de Sabesp e DAEE para atender emergências ocasionadas pelas chuvas

PREJUÍZOS No início deste ano, a liberação de água das barragens provocou o alagamento de bairros localizados em Jundiapeba. (Foto: arquivo)

A Prefeitura de Mogi das Cruzes apresentou, ontem, as ações da Operação Verão, com início previsto para o próximo dia 1º de dezembro e término em 31 de março de 2020, período em que há maior precipitação de chuvas e, consequentemente, maior risco de enchentes e alagamentos na cidade. Na última operação, mais de 2 mil famílias da cidade precisaram de atendimento. A ação é coordenada pela Secretaria Municipal de Segurança, mas conta com a participação de todas as pastas da Administração Municipal.

A apresentação foi realizada pelo secretário municipal de Segurança, Paulo Roberto Madureira Sales. Segundo ele, a cidade não tem risco iminente de deslizamentos e há problemas em propriedades particulares regularizadas.

“Fazemos o monitoramento constantemente em bairros com maior incidência de invasão. Foram derrubados até setembro deste ano 1,2 mil barracos em áreas de risco, APP. Com certeza, em um cenário de muita chuva, essas pessoas vão ser atingidas pelo alagamento, então a gente precisa monitorar 24 horas para evitar que cresçam essas invasões”, pontuou.

Na operação deste ano, a novidade fica com a participação da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) Polícia Rodoviária, Tiro de Guerra e do Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE). Este último por conta das represas do Sistema Produtor do Alto Tietê (Spat), que operam com o volume alto de água e podem influenciar nos registros de alagamentos, caso a chuva seja intensa como nos meses de fevereiro de março deste ano.

“Neste ano, se nós tivéssemos sido avisados com um pouco mais de antecedência, teríamos a condição de avisar essas pessoas. Ontem eu conversei com o secretário de Estado de Infraestrutura, e ele reafirmou o compromisso de fazer a obra de desassoreamento do rio Jundiaí, que depende desse licenciamento e liberação de recurso. A necessidade do desassoamento é clara e o secretário assumiu este compromisso”, destacou o prefeito Marcus Melo (PSDB).

Ainda de acordo com o prefeito, são esperadas chuvas mais fortes ocorram nos meses de dezembro e janeiro. Entre os locais que recebem um reforço na fiscalização estão os jardins Aeroporto, Layr, Santos Dumont e o distrito de Jundiapeba.

Balanço

A fim de evitar enchentes e alagamentos na cidade, a Prefeitura de Mogi das Cruzes realiza durante todo o ano um trabalho de manutenção. Os números apresentados dão conta da limpeza de mais de mil bocas de lobo e de leão, a desobstrução de 1,7 mil galerias de águas pluviais, a roçada de 471 mil m² de valas e córregos.

Houve ainda neste ano a retirada de 323,7 toneladas de materiais com a operação Cata-Tranqueira, mais de 2,7 mil árvores podadas, além melhorias em 94 estradas vicinais atendidas com trabalhos de drenagem.


Deixe seu comentário