EDITORIAL

Perícias Médicas

A decisão do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) de exinguir o setor de perícia médica em Suzano deverá impactar no atendimento dado aos trabalhadores nas agências de Mogi das Cruzes, Itaquaquecetuba e Guarulhos, a partir deste mês.

Oficialmente, o estudo descarta prejuízos ao cidadão – mas a prática não será bem assim. Primeiro porque a demanda, mesmo com a anunciada transferência dos médicos peritos da unidade suzanense para essas três cidades, haverá uma maior demanda e espera a ser enfrentado tanto pelos moradores de Suzano, quanto de Mogi, Itaquá e Guarulhos. Não há como fazer mágica. O fechamento de uma repartição pública afeta diretamente, primeiro, a vida de quem terá de gastar mais tempo para se dirigir a um outro endereço.

Autoridades de Suzano reagiram à mudança contra o desmonte de uma estrutura conquistada a duras penas – há alguns anos, apenas Mogi das Cruzes possuia uma agência do INSS e quem precisava resolver qualquer tipo de pendência previdenciária enfrentava filas imensas. As cidades da região do Alto Tietê cresceram – e, com elas, também as demandas trabalhistas e sociais.

Não apenas lideranças de Suzano, mas também de Mogi e Itaquaquecetuba precisam lutar contra o que pode ser o indício, inclusive, de algo maior.

Quanto mais rapidamente forem solucionadas as demandas das perícias médicas, melhor para o trabalhador que recorre ao INSS em um momento extremo – quando está doente.

A espera por uma consulta até mês abril, quando os três endereços funcionavam adequadamente, era de até quatro dias. É preciso, agora, acompanhar os desdobramentos do fim do atendimento em Suzano para aferir se o que garantiu o INSS a este jornal – o remanejamento dos peritos – irá mesmo acontecer e o trabalhador morador nas demais cidades não será prejudicado.

E, além disso, cobrar a retomada do serviço em Suzano para facilitar a vida de quem terá de ir para o município vizinho quando precisar de uma consulta.

A descentralização da rede de agências e os avanços tecnológicos dos serviços na Previdência Social melhoraram e muito na última década. É fundamental se garantir a preservação desses benefícios, que impactam positivamente na avaliação desse serviço público – em especial, agora, quando se discute as reformas no modelo previdenciário. O fim de serviços que facilitavam a vida das pessoas poderão ser um atraso não apenas para Suzano. A se conferir no futuro próximo.