ELEIÇÕES 2018

Perto dos 310 mil eleitores, Mogi tem capacidade de eleger dois deputados federais e quatro estaduais

(Foto: Arquivo)
Cidade está com 309.844 votantes e figura no maior colégio eleitoral do Alto Tietê. (Foto: Arquivo)

A menos de três meses das eleições de 7 de outubro próximo para presidente da República, governadores, renovação de um terço do Senado, deputados federais e estaduais, a mais recente estatística, divulgada pelo Tribunal Superior Eleitoral aponta Mogi das Cruzes com 309.844 eleitores, um número muito próximo daqueles que estarão aptos a votar no dia do pleito.

Um colégio eleitoral respeitável que, se bem aproveitado, poderá garantir à Cidade a representatividade que Mogi precisa ter, tanto na esfera estadual quanto na federal. O Município dispõe de votos suficientes para eleger, com folga, segundo os cálculos de especialistas, dois deputados federais e três ou quatro estaduais, desde que a votação se concentre especialmente em candidatos da Cidade.

As mulheres predominam entre os eleitores de Mogi. Segundo o TSE, no Município estão atualmente aptas a votar 163.505 mulheres (53%) e também 146.339 homens (47%). A predominância do eleitorado feminino tem sido uma realidade nos últimos pleitos mogianos. Tal fato, no entanto, não se reflete numa maior participação política mais direta das mulheres, que ainda se mostram arredias diante da possibilidade de disputarem cargos eleitorais.

Os próprios partidos políticos admitem as dificuldades para cumprir as cotas estabelecidas para as mulheres, tanto nas filiações, como no número de candidaturas a elas reservadas em cada agremiação partidária. O machismo, ainda predominante dentro dos partidos e do jogo político, tem sido apontado como uma das principais causas do distanciamento feminino das disputas eleitorais, algo que tende a diminuir em razão das ações desenvolvidas por entidades sociais e pelos próprios partidos, que buscam incentivar a presença das mulheres nas atividades político-partidária.

Idade e instrução
A maior fatia do eleitorado mogiano possui entre 45 e 59 anos. Nesta faixa etária se encontram 25%, ou 77.565 votantes. Com mais de 60 anos, são 56.315 eleitores, ou 18% do total. Há um certo equilíbrio entre aqueles que têm entre 35 a 44 anos (64.421 eleitores, ou 21%) e os que possuem entre 25 a 34 anos (64.230, também 21%). Os mais jovens, cujas idades variam entre 16 e 24 anos, são 47.313 eleitores, o equivalente a 15% do total do Município.

A maioria do eleitorado cursa ou já completou o ensino médio: são 49%, ou 150.443 votantes, enquanto outros 35%, o equivalente a 108.863 eleitores, cursaram somente até o ensino fundamental.

Somente 16% dos votantes em Mogi das Cruzes, ou 50.538 eleitores possuem ou cursam o ensino superior, ou sejam, já chegaram ou concluíram alguma faculdade.

Divisão
O eleitorado mogiano está dividido em três zonas eleitorais, mas se concentra especialmente na 287ª Zona, que abrange os populosos distritos de Braz Cubas e Jundiapeba, além de outros bairros e distritos menores, como Taiaçupeba, Biritiba Ussu, Pindorama, Quatinga, Vila Industrial, Conjunto Santo Ângelo e Mogilar, entre outros. Nesses locais há 76 pontos de votação, onde se localizam 401 seções. Ali estão 145.359 votantes, ou 47% de todo o eleitorado mogiano.

A segunda maior concentração de eleitores está vinculada à 74ª Zona. Ali estão devidamente registrados 97.901 votantes. O equivalente a 32% do colégio eleitoral mogiano são residentes na área central da Cidade e em bairros próximos, como Vila Natal, Mogi Moderno, Vila Oliveira, Jardim Ivete, Jardim Camila, Alto do Ipiranga e outros, que votam em 29 pontos diferentes, os quais abrangem 298 seções.

O menor colégio eleitoral da Cidade é o abrangido pela 319ª Zona, que alcança locais relativamente próximos do Centro, como Ponte Grande, Jardim Aracy, Botujuru e César de Souza, mas inclui também os bairros mais distantes, na chamada área da Divisa com Itaquá e Suzano, como Moralogia, Jardim Margarida e outros. Tais localidades concentram 66.584 eleitores, o equivalente a 21% do total de Mogi. São 105 pontos de votação, onde estão localizadas 198 seções.

QUADROS

Distribuição dos eleitores

Zona Votantes %

74ª 97.901 32

287ª 145.359 47

319ª 66.584 21

Total 309.844 100

Sexo

Masculino 146.339 47%

Feminino 163.505 53%

Total 309.844 100%

Idade

16 a 24 anos 47.313 15%

25 a 34 anos 64.230 21%

35 a 44 anos 64.421 21%

45 a 59 anos 77.565 25%

Mais de 60 56.315 18%

Total 309.844 100%

Instrução

Até fundamental 108.863 35%

Médio 150.443 49%

Superior 50.538 16%

Total 309.844 100%

Fonte: Tribunal Superior Eleitoral (TSE)

O que Mogi espera de seus deputados?

Fernanda Moreno
Nossa cidade tem sido referência no Alto Tietê, mas ainda há muito no que avançarmos.

Nossas ruas têm vários problemas de asfalto, saneamento, fios de poste pendurados, calçadas estreitas, enfim, dificuldades de uma cidade antiga que cresceu e precisa se adequar. E poderia citar muitas outras demandas e prioridades, afinal, sou mogiana, nasci e cresci no bairro Mogi Moderno, que não fazendo jus ao nome, é tão tradicional quanto o restante da cidade. Estudei toda a minha vida em escola pública estadual, que anos atrás não enfrentava o caos educacional que se vê nos dias de hoje. A escola Dr Washington Luís era referência, a segunda melhor do Estado. Tão triste ver no que se tornou as escolas estaduais hoje. Precisamos de uma reforma na Educação para ontem.

Mas a vereadora, única mulher na Câmara tem ainda algumas bandeiras que merecem atenção especial. Assim, gostaria de pedir aos deputados que olhem para as mulheres vítimas de violência doméstica. Mogi não está conseguindo manter o único centro de cuidados a mulheres que sofrem violência de seus companheiros. A ONG Recomeçar está passando por dificuldades gigantes para manter o projeto a sério risco de ser extinto no município. Falta de politicas públicas para a área, lamentavelmente tão necessária nos dias de hoje. Ainda para as mulheres, esperamos conseguir uma Vara Especial contra Violência Doméstica.

E os animais? Mogi está localizado num cinturão verde e até agora não desenvolvemos um projeto concreto para a fauna silvestre. A desculpa é sempre a verba que a Secretaria do Verde não teria para manter, mas há que se criar novos caminhos, temos muitas empresas fazendo compensação com árvores, não que não seja importante, mas não é só de árvores que se cuida do meio ambiente. Falando também dos domésticos, nossos pets também precisam de uma atenção especial, mais trabalho de conscientização das pessoas e castração dos animais. Aí não incluo só Mogi, há que se criar uma política regional, afinal, muitos dos animais que perambulam por nosso município vem de cidades vizinhas.

Que nossos deputados utilizem de recursos e todos os meios cabíveis para usar os consórcios e beneficiar nossa região.

Eu, como mulher, como filha de pais idosos, como defensora de uma causa tão frágil que é a dos animais, espero compromisso e responsabilidade com todos os cidadãos mogianos, mas principalmente, com as vidas mais vulneráveis que merecem e precisam de um maior respeito e um olhar diferenciado de nossos representantes políticos. Que Mogi siga avançando e crescendo, contagiando todas as cidades da região a crescerem junto.

Fernanda Moreno é vereadora pelo PV

 


Deixe seu comentário