LANÇAMENTO

Peugeot 5008 chega ao Brasil agora como SUV

O Peugeot 5008 agora é um SUV, mas com apenas tração dianteira, que custa a partir de R$ 157,5 mil (Foto Eduardo Rocha/AutoPress)

A bordo de utilitários esportivos, a Peugeot parece ter reencontrado a trilha do mercado. Nos últimos anos, a marca buscou agregar a ideia de robustez à sua imagem, normalmente associada ao design e à esportividade. E deu bastante certo. Com o sucesso do SUV compacto 2008, a fabricante reforçou as características de utilitário esportivo na mudança de geração dos crossovers de sua linha. Primeiro com o lançamento do novo 3008, em 2016. Agora, a estratégia se repete com a segunda geração do médio-grande 5008, apresentado na Europa ano passado e que desembarca no Brasil neste fim de março. O modelo chega apenas na versão Griffe e com duas configurações de equipamentos, a de entrada por R$ 157.490, e a mais completa Pack, por R$ 166.490.

O novo 5008 possui linhas que lembram muito o 3008, com o qual compartilha o mesmo motor (Foto Eduardo Rocha/AutoPress)

Estes valores não deixam o 5008 muito distante do 3008. Com o mesmo conteúdo, o SUV maior custa R$ 11.500 a mais. Um valor até razoável pela diferença de habitabilidade. Os dois usam a mesma plataforma que, por ser modular, permite que o 5008 seja 19 centímetros maior no comprimento, com 4,64 metros, e tenha 16 centímetros a mais de entre-eixos, com 2,84 metros, ampliação que permite ao 5008 ter sete lugares. Na faixa de preço entre R$ 150 mil e R$ 175 mil, o confronto é com Mitsubishi Outlander, Kia Sorento e até o Toyota SW4, todos em versões 4X2 e com sete lugares.

Pelo valor, o 5008 concorre com Mitsubishi Outlander e Kia Sorento, porém tem mais conteúdo Foto Eduardo Rocha/AutoPress)

A vantagem do novo 5008 em relação aos rivais está no conteúdo. Na versão Griffe Pack, o SUV médio-grande da Peugeot traz equipamentos bem mais sofisticados, alguns já seguindo uma diretriz de condução semi-autônoma. Caso do controle de cruzeiro adaptativo, frenagem automática de emergência, alerta de colisão, direção ativa – que interfere no volante e atua tanto com o monitor de permanência na faixa quanto com o monitor de ponto cego -, farol alto automático, detector de fadiga e leitor de placas de velocidade. Além desses equipamentos, a configuração tem ainda teto solar elétrico panorâmico.

Diversos materiais de acabamento se combinam, mas central multimídia não tem navegador GPS (Foto Eduardo Rocha/AutoPress)

De série, o 5008 Griffe traz seis airbags, freios ABS e controle de estabilidade e tração. O modelo conta ainda com outros recursos que acentuam o requinte do conteúdo. Faróis full LED, interior em couro, bancos dianteiros elétricos com sistema de massagem no encosto, chave presencial para travamento e partida, teto solar panorâmico elétrico, câmara de ré, sensores de obstáculos dianteiro e traseiro, carregador de celular por indução, sensores de luminosidade e de chuva e sistema multimídia com tela sensível ao toque e conexão com Apple CarPlay e Android Auto. Por outro lado, este sistema não tem navegador GPS, mas consegue espelhar Google Maps e Waze com celulares Android.
No visual, o 5008 passou por uma grande transformação. A primeira geração trazia diversos elementos típicos de minivan e todos foram devidamente eliminados nesta segunda geração. O perfil ganhou linhas mais marcadas, bem características de SUVs, e para aliviar visualmente a coluna traseira, que é reta para acomodar a terceira fileira de bancos, uma grossa faixa cromada cria uma falsa inclinação, que harmoniza todo o desenho.
Na frente, a nova assinatura da marca, com uma grade trapezoidal robusta com tracejados cromados e conjunto ótico dividido por uma protuberância do para-choque. Na traseira, a lanterna tem três linhas de luzes verticais, com a luz de ré e a de pisca na base.

O 5008 só vem com motor de 165 cv que, pelo porte do SUV, não oferece nenhuma esportividade (Foto Eduardo Rocha/AutoPress)

Sob o capô, a Peugeot resolveu simplificar. O 5008 traz o mesmo motor que anima boa parte da gama da marca no Brasil, o 1.6 litro 16V THP. Como vem da França, ele bebe apenas gasolina e gera 165 cv. O câmbio é automático de seis marchas e a tração é dianteira. O motor 1.6 turbo trabalha ali no limite; este mesmo motor está no 2008, que pesa 200 quilos a menos. Ele movimenta bem o SUV, mas não sobra nenhuma potência.
Em outros aspectos, o 5008 é mais generoso. No espaço interno, nos recursos e no conforto. O controle de cruzeiro adaptativo, por exemplo, inspira uma direção calma, mais em acordo com o desempenho. O único problema é a localização do comando satélite, escondido atrás do volante. Inicialmente, o câmbio também exige familiaridade, pelo formato da manopla. Os botões no console central, inspirados em teclas de piano, também podem causar uma certa confusão, pois são muito numerosos – 13 no total.
No mais, a decoração criada pelos diversos materiais empregados é de extremo bom gosto. A amplidão do habitáculo, aumentado ainda pelo teto solar na versão de topo, gera um ambiente bem agradável e relaxante. Ainda mais quando se aciona o massageador nos encostos dianteiros. (Eduardo Rocha/AutoPress)

Ponto a ponto – Peugeot 5008

Desempenho – Os 1.440 quilos do 5008 exigem bastante do pequeno motor 1.6 turbo de 165 cv. O modelo acelera e retoma velocidade de forma correta, sem sobra de potência. O esforço fica evidenciado pela atuação do câmbio, que demora a reagir nas retomadas, quando o acelerador é exigido de forma mais vigorosa. A resposta nas acelerações já é mais homogênea. Nota 7
Estabilidade – O 5008 se mostrou extremamente neutro nas poucas curvas que havia no trajeto, com rolagens de carroceria bem controladas. Nas retas, o SUV não exige correções de trajetória e nem sofre muito com ventos laterais. O conjunto suspensivo é eficiente. Nota 8
Interatividade – O volante pequeno, batizado de Sportdrive, facilita o controle do motorista. Nele estão os controles para o som e para o comando de voz. Por outro lado, exatamente por ser pequeno, não cabem ali os botões para o controle de cruzeiro adaptativo, que ficam em um comando satélite, escondido atrás do volante. É preciso descobrir as funções através do tato, já que é impossível de visualizar. Já a central multimídia, com tela sensível ao toque, tem uma interação bem mais direta. Nota 7
Consumo – Segundo o InMetro, o 5008 obteve nota C no geral e na categoria, com um consumo estimado em 9,5 km/l na cidade e 12,1 na estrada, sempre com gasolina. São bons números para um modelo do segmento. Nota 7
Conforto – A suspensão do 5008 busca um equilíbrio entre estabilidade e conforto. Os bancos são extremamente ergonômicos, todos os assentos são individuais e ainda oferece massageador para os passageiros da frente. O isolamento acústico é bem eficiente e o ar-condicionado, de duas zonas de temperatura, esfria rapidamente o habitáculo, apesar do tamanho. A chave presencial torna muito prática a convivência com o modelo. Nota 9
Tecnologia – A versão de topo Griffe Pack traz diversos equipamentos já orientados para a condução semi-autônoma, que tornam o uso do 5008 mais seguro. Além disso, a plataforma é moderna e foi recentemente atualizada. O modelo traz também itens como controle de estabilidade e tração, seis airbags e freios ABS, praticamente obrigatórios no segmento. O motor THP não é novo, mas ainda está alinhado com os mais modernos presentes no mercado. Nota 8
Habitabilidade – É o principal diferencial do 5008. O modelo leva sete passageiros, tem uma altura interna avantajada e cria um ambiente bem agradável e convidativo. No caso do recolhimento da última fileira de bancos, o porta-malas suporta 780 litros de bagagem. Nota 9
Acabamento – A tradição da Peugeot, de acabamentos bem cuidados e de bom gosto, se mantém no 5008. A composição que mistura painéis em preto brilhante com alumínio, cromados, tecido e couro é equilibrada, sem exageros. O console central, que concentra comandos em forma de tecla, dá personalidade ao ambiente. Nota 10
Design – Com o 5008, a Peugeot abandona de vez uma fase pouco feliz de design, de onde surgiram as primeiras gerações do 3008 e do próprio 5008, com linha curvas e sem força na frente e traseiras sem graça. Agora, os traços são fortes e agressivos na frente, com um ângulo negativo na grade, e mais marcantes na traseira. O uso de cromados de diferentes espessuras nos vincos e nas janelas também ajuda a pontuar as linhas do carro. Nota 8
Custo/benefício – Na tabela, o valor pedido pelo 5008 é muito próximo de rivais como Mitsubishi Outlander e Kia Sorento. A comparação de conteúdos dá vantagem ao modelo da Peugeot, mas é um segmento com preços bastante altos. Nota 7
Total – O Peugeot 5008 obteve 80 de 100 pontos possíveis.

Ficha técnica

Motor: Gasolina, dianteiro, transversal, 1.598 cm³, quatro cilindros em linha, quatro válvulas por cilindro, turbo com intercooler e comando no cabeçote variável na admissão e no escape. Injeção direta de combustível e acelerador eletrônico.
Transmissão: Câmbio automático de seis velocidades à frente e uma a ré nas versões. Tração dianteira. Oferece controle de tração.
Potência: 165 cv a 6 mil rpm.
Torque máximo: 24,5 kgfm a 1.400.
Aceleração 0-100 km/h: 10,5 segundos.
Velocidade máxima: 206 km/h.
Diâmetro e curso: 77 mm x 85,8 mm. Taxa de compressão: 11,0:1.
Suspensão: Dianteira independente do tipo McPherson e traseira semi-independente por eixo de torção. Oferece controle eletrônico de estabilidade.
Pneus: 235/50 R19.
Freios: Discos ventilados na frente e maciços atrás. Oferece ABS com EBD.
Carroceria: Utilitário esportivo em monobloco, com quatro portas e cinco lugares. Comprimento de 4,64 metros com 1,91 m de largura, 1,65 m de altura e 2,84 m de entre-eixos. Possui airbags frontais, laterais e de cabeça de série.
Peso: 1.440 kg.
Capacidade do porta-malas: 780 litros com a terceira fileira rebatida.
Tanque de combustível: 56 litros.
Lançamento no Brasil: 2018.
Produção: Sochaux, França.
Preço: R$ 157.490 na versão Griffe e R$ 166.490 na Griffe Pack