SEGURANÇA

Pinacoteca de Mogi permanecerá fechada até a instalação de câmeras

BELEZA Inaugurada há pouco tempo, Pinacoteca poderá receber exposições de artistas de outras cidades. (Foto: Elton Ishikawa)
Pinacoteca de Mogi das Cruzes, na Coronel Souza Franco, fica fechada até receber câmeras de segurança. (Foto: Eisner Soares)

O desaparecimento da imagem sacra de Nossa Senhora da Conceição, da Pinacoteca de Mogi das Cruzes, encontrada 24 horas depois em outro ambiente do prédio, levou a Secretaria Municipal de Cultura a fechar o prédio por tempo indeterminado até que sejam instaladas câmeras de monitoramento no ambiente. Além disso, os museus com dois andares, como o Guiomar Pinheiro Franco, vão permitir apenas a visitação no primeiro pavimento, até que esses espaços também passem a contar com o sistema de câmeras.

O titular da pasta, Mateus Sartori, disse que o sumiço da imagem, tratado como tentativa de roubo, mostrou a vulnerabilidade dos prédios em não contarem com o sistema de monitoramento, por isso ele deverá fazer essas adequações antes de reabrir a Pinacoteca. “É um processo que não tem como precisar a data, porque envolve fazer o levantamento dos preços, preparar licitação, fazer a compra e a instalação”, explicou.

As exposições com peças da Diocese de Mogi e do Carmo estão sendo desmontadas para devolução. Após esse processo, as portas da Pinacoteca deverão ser reabertas apenas para quem quiser visitar a exposição Olhar Feminino, que está na parte térrea do edifício.

Sartori contou ainda como foi a ação desde o desaparecimento da imagem até ela ser encontrada. O desaparecimento foi notado na quarta-feira, logo após uma escola ter visitado a Pinacoteca. Como é de costume, após cada visita, os funcionários foram fazer a vistoria e sentiram falta da peça.

“Primeiro fechamos imediatamente o prédio e já solicitei a ajuda do Ciemp, para ver na câmera de entrada se alguém talvez tinha saindo com a santa em uma bolsa. Fizemos a aquisição de lâmpadas que não dava para trocar com o prédio aberto. Então, enquanto isso, os funcionários foram trocando. Na última sala, na quinta-feira, quando eles foram manusear um cubo para trocar a lâmpada, perceberam que havia algo lá dentro. Eles levantaram e lá estava a santa”, relembra o secretário.

O fato de o cubo ser pesado leva Sartori a supor que a pessoa que fez isso não agiu sozinha ou era uma pessoa com mais força para conseguir levantar o cubo e ter colocado em cima da imagem sacra. “Até agora tudo o que temos não passa de suposições. Mas fica a percepção que estamos vulneráveis e é preciso investir para que isso não aconteça novamente”, pontuou. Um Boletim de Ocorrência sobre o fato foi registrado.

Deixe seu comentário