"MADE IN MOGI"

Playlist em serviço de streaming reúne músicos mogianos

PARCERIA Criador da lista, o músico Daniel Saway conta com o apoio de artistas como Deo Miranda para fazer o projeto crescer

Reunir músicos mogianos numa playlist pode parecer ideia simples, mas até então ninguém tinha feito isso. Ao perceber a ausência de algo do gênero nas plataformas digitais, o artista Daniel Sawaya decidiu criar uma lista em maio do ano passado, no Spotify. O projeto Made in Mogi conta hoje com 23 canções, e embora possa parecer pequeno, deu origem a um festival que acontecerá no próximo mês de março.

A criação da playlist foi motivada pela “desunião” da classe artística local. “Temos muitos bons músicos na cidade, mas não vejo uma cena forte no sentido coletivo. Falta o pessoal se juntar pra fazer show, porque hoje tudo é individual, cada um pesando em si”, opina Saway.

Também cantor e apoiador da iniciativa, Deo Miranda, que tem acompanhado Saway na divulgação das ações, completa o pensamento: “não existe um movimento artístico por aqui, o que pode começar com os próprios artistas consumindo o trabalho dos colegas”.

A ideia é, então, incentivar os autores a ouvirem os trabalhos dos colegas. Muitos artistas mogianos estão em aplicativos como o Spotify, mas os números da audiência são baixíssimos. O que, de acordo com os criadores da playlist, pode mudar a partir de agora.

“O artista tem que ser empreendedor para propagar as ideias e as músicas. Procuramos ajudar nisso, pois acreditamos no diferencial das pessoas daqui, que fazem bom som em todas as áreas, como MPB, rock, pop rock, jazz e regional”, diz Saway.

O processo para escolha de artistas como Brenô, Gui Cardoso, Lucas Schwart, Paulo Henrique (PH), Roque Martins, Rui Ponciano, Thais Naomi e Waldir Vera, têm sido manual, feito pessoalmente por Saway, que prefere explicar o que é a playlist antes de incluir mais nomes nela.

A princípio ele conta ter procurado “os mais envolvidos com a música”, mandando mensagens individuais. Mas porque fazer o convite desta maneira? Para moldar a desejada união no setor, para criar uma cena, um movimento.

“Em primeiro lugar é preciso que os participantes ouçam a lista toda, porque somos o motor dela”, explica Saway, que também pede pelo compartilhamento do projeto. “Não há critério de seleção, mas é preciso ser seletivo. Todos precisam trabalhar um pouco, colocar para tocar”, reforça Deo.

Claro que ainda faltam dezenas de artistas mogianos. Mas o projeto está em fase de expansão. Nesta semana, por exemplo, será incluído no Deezer e no YouTube, e novos nomes devem chegar a qualquer momento, inclusive alguns cantores famosos, referência para a comunidade local, como Renato Russo e Milton Nascimento, que já podem ser ouvidos por lá.

Os participantes mantêm um grupo de WhatsApp onde discutem os resultados da ação, e dizem ter sentido “aumento no número de ouvintes mensais e streamings”. Ou seja, o que Saway pensara inicialmente se confirma na prática: uma coletânea impulsiona todos os seus integrantes.

Mais do que crescer digitalmente, o Made in Mogi quer expandir. A primeira das ações será um festival, no dia 7 de março, no Teatro Vasques, com performances de Daniel Saway, Deo Miranda, Brenô e Lucas Schwart, além de convidados. Ingressos já estão a venda e outras informações estão disponíveis pelo telefone 9.7098.5656.


Deixe seu comentário