INVESTIGAÇÃO

Polícia finaliza inquérito do massacre em Suzano e quatro vão responder pelas mortes

Ataque na Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano, terminou com dez mortos. (Foto/ arquivo)
Ataque na Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano, terminou com dez mortos. (Foto/ arquivo)

Após dois meses e meio de intensas investigações, o delegado titular Alexandre Dias e os seus assistentes Gilmar Pimenta e Lourival Zacarias, da Delegacia Central, de Suzano, concluiram ontem o inquérito sobre o “Massacre de Suzano” na Escola Estadual Raul Brasil, no Jardim Imperador, que deixou saldo de dez mortos – incluindo os dois autores do ataque.

As autoridades prenderam os homens que venderam revólver 38 e munições para Guilherme e Luiz Henrique. São eles: Geraldo Oliveira dos Santos, o “Buiu”, Cristiano Cárdias de Souza, o “Cabelo”, Márcio Germano Masson, o “Alemão” e Adeilton Pereira dos Santos. De acordo com o relatório dos delegados, os criminosos foram indiciados por 10 homicídios em relação às pessoas mortas no massacre e ainda por 11 tentativas de assassinatos, citando os feridos durante a invasão à escola.

A situação do grupo está complicada, pois já tiveram a prisão preventiva decretada pela Justiça no último dia 31, e ainda vão responder por comércio ilegal de armas de fogo.

No início das buscas, um adolescente, de 17 anos, também foi apreendido como mentor intelectual dos dois ex-estudantes que praticaram o atentado, o qual teve repercussão internacional na mídia. O menor por decisão da Justiça já está internado na Fundação Casa.

O inquérito será analisado pelo Ministério Público e depois a Justiça pode até pronunciar os envolvidos, os quais devem ir a julgamento no Fórum de Suzano.