DESDOBRAMENTO

Polícia prende dois suspeitos de envolvimento na morte da família boliviana

Assassino discutiu com bolivianos por causa de pagamento de serviço. (Foto: Reprodução/TV Diário)
Assassino discutiu com bolivianos por causa de pagamento de serviço. (Foto: Reprodução/TV Diário)

A Polícia continuava ontem a procura de Gustavo Santos Vargas declinado como o autor da morte da família de bolivianos, em 23 de dezembro de 2018. Ele teve a sua prisão temporária decretada pela Justiça, mas está foragido. Os seus dois comparsas, Roberto Kally Javier e Miguel Álvaro Batista Silva foram capturados pela Polícia Militar e já se encontram encarcerados.

Casado e pai de três filhos, Gustavo era cunhado de Irma Morante Sanizo, a qual era casada com Jesus Reinaldo Sanizo. Ele matou e decepou os corpos do casal e também do seu sobrinho Gian Morante, de apenas 8 anos, filho de Irma e Jesus.

A Polícia Militar recebeu uma denúncia, na noite de anteontem, e se dirigiu a uma casa, no Jardim Paineira, em Itaquá, onde encontrou a família já morta com os corpos decepados dentro de malas.

Jesus era proprietário de uma confecção no Brás, na Capital, e havia contratado Gustavo, porém houve uma discussão porque Gustavo não concordava com o salário de R$ 1300,00.

O crime que ele praticou revoltou a família no Brasil e também na Bolívia. Gustavo não tinha antecedentes criminais. O imóvel onde os cadáveres foram localizados servia como local para guardar as máquinas de costuras. A Polícia Federal já foi comunicada sobre o mandado de prisão expedido contra o criminoso. Gustavo escondeu os corpos com a ajuda deRoberto e Miguel.