Por água abaixo

Tudo o que for feito na Avenida Romilda Pecorari Nor, a conhecida estrada velha entre César de Souza e Sabaúna, vai por água abaixo enquanto a Prefeitura Municipal não providenciar o sistema de drenagem. Poucos dias após os reparos que interditaram o caminho no final do ano, as primeiras fissuras nos remendos apareceram.

Alternativa à Rodovia Mogi-Guararema e muito utilizada nos finais de semanas por ciclistas, corredores e caminhantes, a Estrada Velha passou a fazer parte, no ano passado, de um projeto que, bem alinhavado pelo governo municipal, poderá fortalecer a economia de Sabaúna e, por consequência, da Cidade. Ela faz parte da Rota da Luz, um roteiro criado pelo Governo do Estado com o objetivo de retirar da Rodovia Presidente Dutra uma parte dos peregrinos a caminho de Aparecida.

Nos períodos de chuva, os buracos e depressões acentuados após os serviços mal feitos de pavimentação realizados no passado, durante o governo do ex-prefeito Junji Abe, atormentam os usuários e estão se tornando cada vez mais preocupantes.

A coisa é simples: o acesso recebeu o asfalto sem o mais básico de qualquer obra viária: a drenagem. Pois o asfalto foi colocado em cima da terra, sem as estruturas necessárias para o escoamento da chuva que deságua no Ribeirão Sabaúna, manancial que entrecorta o caminho durante os seus nove quilômetros.

Não foram respeitadas nem a geografia, nem o comportamento da chuva para asfaltar. E o resultado foi conhecido poucas semanas após a malfadada intervenção: buracos e depressões apareceram e o asfalto, de qualidade, “assim, assim”, esfarelou-se feito areia.

A pavimentação que deveria melhorar as condições de trafegabilidade e de conforto para os moradores do entorno e de Sabaúna tornou-se uma dor de cabeça, que, logo, se transformou em enxaqueca. E, até agora, o governo municipal não enfrentou esse problema de frente, alegando falta de recursos financeiros.

Essa estrada precisa ser considerada como uma opção para diluir o escoamento do tráfego da Mogi-Guararema e bem atender Sabaúna. Sem isso, a gestão municipal continuará desagradando um distrito com potencial turístico e morada de milhares de mogianos.

Quanto de asfalto e horas trabalhadas foram investidos ali desde a entrega dessa obra para fazer remendos? O governo municipal continuará desperdiçando tempo e dinheiro público enquanto não fizer a drenagem da estrada, que deverá ganhar ainda mais visibilidade com a passagem de romeiros, quando a Rota da Luz estiver mais consolidada.

Entre esses romeiros estão devotos como o governador Geraldo Alckmin, e a mulher, Lu, que idealizou a Rota da Luz, incluindo Mogi das Cruzes no trajeto do turismo religioso, um dos setores da economia nacional que tem reagido menos mal à recessão econômica.


Deixe seu comentário