INFORMAÇÃO

Prefeitura inicia ações em busca da ISO-9000

Aperfeiçoamento no modelo de gestão visa melhorar o atendimento

Aumentar a transparência, eficiência e redução de custos visando assegurar melhores condições de governabilidade e de atendimento aos munícipes. Estes são os objetivos de um programa que começa a ser implantado, a partir da próxima semana, na Prefeitura Municipal de Mogi das Cruzes, com a meta de conquistar, até o final do ano, a ISO-9000, certificação que define o grupo de normas técnicas capazes de estabelecer um modelo de gestão de qualidade para organizações em geral. A ISO é uma organização não-governamental existente desde 1947, atualmente presente em 189 países, cuja função é de promover a normatização de produtos e serviços para que a qualidade deles seja constantemente melhorada. Esta será a primeira vez que uma prefeitura do Alto Tietê irá se preparar para ser avaliada. E todo esse trabalho, com o aval do prefeito Marcus Melo (PSDB), será coordenado por Martin Mikl Júnior, que cuida de programas estratégicos do Executivo, como o Projeto + Mogi Ecotietê. Consultor que atuou por muito tempo junto à Fundação Vanzolini, em São Paulo, ele diz que o trabalho deverá começar por seis setores estratégicos da administração, que são aqueles ligados às áreas de saúde, educação, gestão interna, gabinete, ouvidoria e verde e meio ambiente. Progressivamente, os demais segmentos do governo municipal serão envolvidos no processo de alteração do modo de trabalho e comportamento para alcançar o munícipe com um atendimento cada vez melhor, mais rápido e eficiente. “Junto com os colaboradores, iremos buscar maneiras para melhorar o trabalho e lapidar todo o processo para que seja mais célere e efetivo”, diz Martin, que pretende dividir o plano em três etapas de, em média, quatro meses cada uma: preparo e entendimento do processo; testes e estabilização do processo; e, finalmente, o preparo final para a certificação. A primeira exposição sobre o assunto estava marcada para a tarde de ontem, numa reunião de Melo e seus secretários.

Pressão

Nos meios políticos situacionistas cresce a pressão por uma definição do quadro para as próximas eleições. Marcus Melo insiste na busca pela reeleição, Marco Bertaiolli (PSD) rejeita aliança, mas não diz se tem uma carta na manga, ou se voltará a ser candidato. Enquanto isso, Valdemar Costa Neto (PL) acompanha tudo à distância, esperando para ver o que resultará de todo esse “imbróglio”. E para indicar o vice.

Estratégias

Os observadores da cena política local têm pelo menos duas alternativas para tentar explicar os recentes comentários elogiosos de Caio Cunha (PODE) ao deputado federal Marco Bertaiolli: o vereador estaria de olho numa vaga de vice, caso o ex-prefeito decida abandonar Brasília para ser novamente candidato a prefeito de Mogi. Só que aí, ele teria de disputar espaço com o PL de Costa Neto. Ou no apoio declarado do parlamentar à sua anunciada candidatura a prefeito. Na segunda hipótese, Caio viria a ser uma espécie de novo Marcus Melo.

Trânsito

Às 11 horas da próxima terça-feira, o secretário José Luiz Freire de Almeida, de Transportes, será ouvido, na Câmara Municipal, por integrantes da chamada CEV do Coronavírus. Presidido pelo vereador Jean Lopes (PL) e integrado por Fernanda Moreno MDB) e Edson Santos (PSD), o grupo vai questionar a situação do transporte coletivo e o distanciamento social nesses tempos de pandemia.

Crise

Está na Câmara, para ser votado, projeto de lei de autoria do Executivo que, em nome da pandemia do novo coronavírus,

pede autorização para suspender, até o próximo dia 31 de dezembro, o recolhimento ao Instituto de Previdência Social dos Servidores Públicos Municipais de Mogi das Cruzes (Iprem) da contribuição previdenciária patronal referente aos servidores estatutários ativos, inativos e pensionistas, integrantes da administração pública direta e indireta. Os valores atingidos pela suspensão serão objetos de repactuação parcelada e devidamente corrigida, “a ser formalizada oportunamente”, para quitação num prazo de 60 meses, a partir de 30 de janeiro de 2022.

Frase

Sim, dessa vez é verdade. Eu estou saindo do MEC.

Abraham Weintraub, ao trocar o cargo de ministro da Educação por uma diretoria do Banco Mundial, com salário de R$ 115,8 mil por mês


Deixe seu comentário