PELO PLANETA

Princesas se unem em novo espetáculo infantil da Tearts

PELO PLANETA Montagem do grupo mogiano coloca Ariel e Elsa para combater problemas ambientais a partir de março, no palco do Vasques. (Fotos: divulgação)

Além da manutenção de espetáculos já presentes no catálogo da Tearts, a companhia mogiana começa 2020 com uma nova montagem. Estrelada por personagens conhecidas do público, como a rainha Elsa, de ‘Frozen’ e a Ariel de ‘Pequena Sereia’, ‘O Poder Das Princesas’ promete agitar a audiência infantil a partir de março, quando tem início a nova temporada de encenações do grupo.

Nessa produção, já confirmada para os dias 19 de março e 16 de abril no Teatro Vasques, Ariel e seu príncipe Eric, que vivem entre os humanos, percebem as grandes tragédias ambientais que prejudicam o planeta. Cada vez mais assustado, o casal resolve se reunir com a poderosa Elsa de Arandelle para solucionar os graves problemas.

As protagonistas se utilizarão do respeito e do amor pela natureza para mostrar que são capazes de construírem pontes e superarem todas as barreiras, e assim mostrar para todas as crianças que são elas a porção mais importante nessa luta contra a destruição meio ambiente.

Com este enredo, a produção salienta “a dependência que os seres humanos têm dos recursos da Terra e a possibilidade de se tornarem escassos, mesmo em lugares onde são abundantes”. Além disso, outro objetivo é mostrar que todos “podem e devem lutar pelos próprios sonhos”, como conta a fundadora da trupe, Jamili Bensivenga Miguel.

“A ideia é fazer as crianças pensarem a situação que estamos vivendo hoje. Temos que parar de produzir lixo e fazer reciclagem, procurando transformar os objetos, estimulando a imaginação”, diz Jamili, que está prestes a completar 45 anos como atriz e produtora cultural.

Dom Quixote e outros projetos

Mais do que promover a agenda de ‘O Poder Das Princesas’, a Tearts está envolvida na continuidade de peças encenadas em 2019. Uma delas é ‘O Cavaleiro da Triste Figura’, inspirada em Dom Quixote e em toda a obra de Miguel de Cervantes.

Com reestreia marcada para o dia 21 de maio, também no Vasques, esta montagem deve sofrer algumas alterações. “Mudamos dois atores do espetáculo, mas estou muito feliz com o resultado, que mantém a influência na literatura de cordel”, diz Jamili.

‘A Cigarra e a Formiga’ também está nos planos para retorno. A principal mudança é também no elenco, já que um ator que também é músico foi adicionado ao espetáculo, no papel da cigarra, e agora a personagem “canta e toca ao vivo”.

Também permanecem ativas ações como a busca por patrocinadores, que como contrapartida podem ter sessões especiais e exclusivas e também a presença do teatro nas escolas. E para tudo isso, a líder da companhia está otimista. “Estamos nos encontrando com novas diretoras, novos donos de escola, novos professores, e percebemos que houve mudança muito grande nessa área. São pessoas que enxergam que a arte vem para contribuir, e percebo a possibilidade de mais trabalhos com elas”.

Para Jamili, a esperança para 2020 é que “a arte reestabeleça na educação a certeza do único caminho para enxergar e ser”, porque “isso é o que vem faltando nos últimos anos”. Justamente por isso, a montagem que estreia agora, das princesas, fala sobre amor e respeito. “Não havia mais abertura para o teatro, mas estou vendo possibilidade de novo de fazer esta manifestação crescer e expandir em todos os sentidos”.


Deixe seu comentário