MEC

Professores de Mogi das Cruzes protestam contra cortes na educação

Profissionais se uniram nesta quarta-feira, contra os cortes na educação anunciados pelo MEC (Foto: Carolina Paes)

Mais de 130 grupos sociais se unem aos professores hoje para uma manifestação nacional contra os cortes na educação e a reforma da previdência. Em Mogi das Cruzes, o ato começou às 10 horas no Largo do Rosário. Integrantes do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), com outros grupos da cidade, vão promover uma “aula aberta” no local, a fim de orientar as pessoas sobre os impactos das duas medidas na sociedade.

“A gente está programando também uma greve geral para o dia 14 de junho. Todos os trabalhadores são afetados com o desmonte na educação e na previdência, então é importante todo mundo parar”, disse a conselheira da Apeoesp em Mogi, Inês Paz.

Após o ato em Mogi, segue para São Paulo a fim de se unir à manifestação que está agendada para as 14 horas no vão do Museu de Artes de São Paulo (Masp).

O Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp) informou que, em Mogi das Cruzes, das 78 escolas estaduais, 23 estão 100% paradas

MEC

O Ministério da Educação (MEC) garante que o bloqueio de recursos se deve a restrições orçamentárias impostas a toda a administração pública federal em função da atual crise financeira e da baixa arrecadação dos cofres públicos. Segundo o MEC, o bloqueio preventivo atingiu apenas 3,4% das verbas discricionárias das universidades federais, cujo orçamento para este ano totaliza R$ 49,6 bilhões. Deste total, segundo o ministério, 85,34% (ou R$ 42,3 bilhões) são despesas obrigatórias com pessoal (pagamento de salários para professores e demais servidores, bem como benefícios para inativos e pensionistas) e não podem ser contingenciadas.

De acordo com o ministério, 13,83% (ou R$ 6,9 bilhões) são despesas discricionárias e 0,83% (R$ 0,4 bilhão) diz respeito àquelas para cumprimento de emendas parlamentares impositivas – já contingenciadas anteriormente pelo governo federal.