RECURSOS

Quatro espaços independentes de cultura de Mogi receberão R$ 240 mil, por meio do Profac, para projetos e manutenção

VALORIZAÇÃO Além de fazer as contratações para os eventos ao longo do ano, a iniciativa fomenta a produção artística local. (Foto: divulgação)
IMPORTÂNCIA Mateus Sartori destaca o apoio a espaços independentes de cultura, que desenvolvem projetos relevantes em suas comunidades. (Foto: arquivo)

A Secretaria Municipal de Cultura e Turismo conseguiu viabilizar a transferência de recursos para os quatro territórios culturais aprovados no edital 029/2019, do Programa de Fomento à Arte e Cultura de Mogi das Cruzes (Profac). Com isso, os espaços independentes terão acesso a recursos da ordem de R$ 240 mil, que serão aplicados principalmente em custeios e manutenção de seus projetos.

“É importante que os recursos cheguem aos territórios, pois são espaços independentes de cultura, que dependem de apoio e que desenvolvem projetos de grande relevância em suas respectivas comunidades. Ainda mais neste momento, em que todos enfrentam dificuldades com o fechamento dos espaços, esse recurso será de grande valia. Para além disso, eles passaram por um processo de análise, foram devidamente aprovados, portanto tinham direito a receber essa verba”, pontua secretário municipal de Cultura e Turismo, Mateus Sartori, explicando que o processo acabou sendo afetado pelo advento da pandemia e a decretação de quarentena. .

O edital foi lançado em dezembro de 2019 e o resultado da seleção foi publicado em janeiro deste ano, após análise da Comissão de Análise de Projetos (CAP), que levou em consideração requisitos como a localização geográfica do território, a atuação do espaço cultural nos últimos dois anos e também informações artísticas e técnicas sobre a formação e atuação dos principais responsáveis pelo território cultural.

Ao final da análise, foram contemplados, cada um com o valor de R$ 60 mil, a Escola de Artes AJPS, o Território Cultural Serra dos Tapanhuns, o espaço Cultura para Todos e o Território Independente Mineração.

A Escola de Artes AJPS, uma das contempladas, nasceu a partir de uma associação de bairro do Jardim Juliana, em César de Souza. Já o Território Cultural Serra dos Tapanhuns é do distrito de Taiaçupeba e foi proposto pela associação de moradores do local. O Cultura para Todos, por sua vez, é uma iniciativa do Instituto Mogiano de Pesquisa, Educação e Cultura (IMPEC), enquanto o Território Independente Mineração e está ligado à escola de samba Unidos da Vila Industrial.

Os responsáveis pelos projetos comentaram a importância do recebimento dos recursos, em especial neste momento. Osmar Batista, que responde pelo projeto Cultura para Todos, lembrou que a iniciativa por eles desenvolvida é voltada a todo tipo de público, porém os idosos são um dos focos.

“Sabemos que teremos um público grande da terceira idade, que se encaixa na categoria de grupo de risco e está neste momento dentro de casa, sem poder sair. Com este projeto, poderemos levar um pouco de cultura, arte, entretenimento, conhecimento, lazer e alegria para todos, mas principalmente para este segmento, que é um dos mais afetados. Será um contraponto a toda a tristeza que esta pandemia tem causado”.

Já Emerson Rodrigues da Silva, que responde pelo Território Independente Mineração, diz que o recurso possibilitará a realização de atividades culturais continuamente, com a participação da comunidade. “Neste momento da pandemia, vamos poder incentivar a participação das crianças, adolescentes, jovens, adultos e idosos em atividades que ficarão disponíveis no site da nossa Escola de Samba. Estamos propondo uma interação que ajude na superação das adversidades trazidas pelo isolamento social”.

O Profac é um instrumento de fomento a produções, artistas e territórios culturais locais, que visa estimular o desenvolvimento econômico, a geração de emprego e renda e o acesso aos bens culturais no município.


Deixe seu comentário