ATENTADO

Raul Brasil terá “grande reforma”

Show pela Paz reuniu apresentações musicais, brincadeiras e recreações infantis, feira gastronômica e de artesanato, exposições e serviços (Foto/ Divulgação – Wanderley Costa)

“Uma grande reforma”. É essa a meta do secretário de Estado da Educação, Rossieli Soares para a Escola Estadual Professor Raul Brasil, em Suzano. A afirmação foi dada em entrevista neste sábado, 15, um mês após o massacre que deixou 10 mortos (incluindo os dois atiradores). Para lembrar a data e reforçar os pedidos pela paz, a Prefeitura da cidade realizou um evento no Parque Max Feffer com apresentações musicais, brincadeiras e atividades recreativas para crianças, feira gastronômica e de artesanato, exposições, praça de serviços, entre outros.

“A Raul Brasil é um capítulo importante, porque viveu um trauma muito acima do que qualquer outra escola de São Paulo. Estamos discutindo com especialistas um pacote não só na área de segurança. Vai desde pequenas melhorias de infraestrutura, como implantar portão eletrônico com interfone, à melhoria de procedimentos. Precisamos olhar a raiz do problema. Não adianta ter mais segurança, sem discutir como o currículo interage, como mapear a situação e não perder esses meninos na origem. Encontrando, inclusive, um meio de envolver a família”, destaca o secretário.

Na opinião de Soares, nas escolas de tempo integral, há experiências interessantes de trabalho de projeto de vida. “Na Educação, a gente precisa ter espaços para escutar o jovem e ajudar a direcioná-los. Saber qual é o sonho dele e como a escola pode interagir. Precisamos trazer o acolhimento para toda a rede”, completou.

Apesar de relatos de aulas vagas e de alunos que ainda não voltaram às atividades na Raul Brasil, o secretário garante que, nestes 30 dias após o massacre, há acompanhamento psicológico diário. “Estamos fazendo convênio com a Prefeitura para instalar um botão do pânico e vamos contratar três psicólogos para trabalhar por dois anos na escola. Reforçamos a equipe de professores, com quatro a mais, para cobrir ausências. A gente busca melhorar o diálogo com a comunidade e ouvir as propostas dos pais. Avaliamos colocar um portão eletrônico e segurança mais forte. A escola já tinha câmeras, isso ajuda, mas não resolve. Há detalhes que podem minimizar o risco, como diminuir o volume de pessoas que circulam na escola. Investir em procedimentos digitais evita que um ex-aluno ou algum pai precise entrar só para solicitar documento”, diz.

Evento

No evento Suzano Pela Paz, o público estimado em 15 mil pessoas conferiu apresentações da Orquestra Jazz Sinfônica de São Paulo, do padre Antônio Maria, Paulo César Baruk, Família Lima, Ana Vilela e Orquestra de Câmara de Suzano, entre outras atrações. No Jardim da Paz, projetado pela equipe do Viveiro Municipal Tomoe Uemura, foi criado um espaço de contemplação da natureza e da vida, promovendo reflexão sobre amor e esperança. O ambiente recebeu oito espécies de árvores e um caminho florido.

A proposta de união entre as famílias e a população foi abraçada por pais e alunos da escola. O estudante José Vitor Ramos Lemos, um dos sobreviventes ao ataque, expressou gratidão pelo acolhimento. “Queria agradecer os amigos, familiares e ao Brasil todo que me apoiou. Participar do ato é bom para todos”, concluiu.

A mãe do jovem, a aposentada Sandra Regina Ramos reiterou que a família tem recebido apoio, afeto e oração. “Já se passou um mês do fato, que ninguém nunca vai esquecer. É importante nos mantermos unidos enquanto pais, alunos e população”, disse.

A dona de casa Karina Souza Diniz é mãe de uma das alunas da escola. Para ela, o momento é de comunhão com Deus, independentemente de religião. “Quero passar uma mensagem de paz para todos os alunos e demais pais, que sejam mais presentes na vida dos filhos, trazendo harmonia para o lar”, aconselhou. “Esse dia de conscientização pela paz não é somente pelo ocorrido na escola, mas por tudo que hoje vivemos no cotidiano. O mundo grita pela paz”, concluiu.

Rhyllary Barbosa dos Santos, aluna que enfrentou um dos atiradores na escola, também esteve na ação. “Conto com a presença de todos para lutar pela paz e expandir esse movimento”. Já a estudante Letícia de Mello, apresentou canções gospel no palco, introduzindo a participação do cantor Paulo César Baruk.


Deixe seu comentário