ESTRADA

Rodovia Mogi-Bertioga receberá obras este ano

(Foto: Eisner Soares)
Detalhes dos investimentos ainda serão apresentados (Foto: Eisner Soares)

Ainda neste ano, a Rodovia Mogi-Bertioga (SP-98) deve receber mais investimentos do Governo do Estado e novas obras para segurança dos motoristas e melhor fluidez de trânsito. A garantia foi dada nesta segunda-feira pelo superintendente do Departamento de Estradas de Rodagem (DER), Paulo Cesar Tagliavini à Comissão Especial de Vereadores (CEV) da Câmara de Mogi, criada para pleitear melhorias na via. No encontro, na Capital, estiveram presentes o presidente da CEV, o vereador Francimário Vieira, o Farofa (PR), vereador Antônio Lino da Silva (PSD) – membro da CEV -, vereador Sadao Sakai (PR), presidente da Câmara de Mogi, além de integrantes da Associação Gestora do Distrito Industrial do Taboão (Agestab).

Segundo Farofa, em 20 a 30 dias serão apresentados os detalhes dos investimentos na Mogi-Bertioga. “O governador João Doria deve anunciar a liberação de recursos e detalhes de obras no trecho de quase dois quilômetros da SP-98, que devem ocorrer ainda este ano”, afirmou Farofa. “Trata-se de um investimento considerável que vai proporcionar mais segurança aos usuários e maior fluidez na via, como forma de acabar os congestionamentos e viagens longas, especialmente no trecho de Serra, o que atende o pleito desta Comissão Especial de Vereadores”, acrescentou o vereador.

Segundo ele, uma outra intervenção deve ser feita na SP-98. É a implantação de dispositivos de travessia no Km 57, trecho urbano da via, onde residem centenas de pessoas e há dezenas de estabelecimentos comerciais, além do Centro de Convivência da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae), frequentado por cerca de 600 pessoas com deficiência e seus familiares para dar seguimento no tratamento terapêutico e de equoterapia.

“Solicitamos neste trecho, uma travessia segura para cadeirantes, pessoas idosas e crianças que residem na Vila Moraes. Além da velocidade dos veículos há outro empecilho que é a existência de um canteiro central que impede qualquer cadeirante ou pessoa com mobilidade reduzida de passar de um lado para outro da estrada”, afirma Farofa.