Rui Ponciano canta em novo disco

Rui Ponciano (Foto: Divulgação e reprodução)

O lançamento oficial de ‘Pico do Urubu’ está marcado para as 20 horas de amanhã, no Teatro Vasques

Neste sábado, Rui Ponciano, um dos mais reconhecidos músicos da Cidade, lança um novo disco. Gravado no Estúdio Municipal de Áudio e Música (Emam), ‘Pico do Urubu’ é um trabalho que homenageia Mogi das Cruzes ao mostrar o melhor da cultura local, com melodias suaves e rimas poéticas. O show está marcado para as 20 horas, no Teatro Vasques e na sequência o artista segue para o Canto de Cabocla, onde fará apresentação acústica e sessão de autógrafos.

Apesar da produção do álbum ter começado há cerca de três anos, a canção que dá nome ao trabalho foi composta em 1992, como Rui conta numa entrevista para um canal do YouTube. “Nessa época eu tocava em vários bares de Mogi, jogava futebol e ia para o Pico do Urubu, onde via amigos saltar de asa (delta). Eu estava numa relação complicada com uma pessoa, e imaginei como seria bom se ao invés de cada um ficar com a “chave da prisão” do outro, cada um pudesse dar uma “asa” para o outro e viver sempre em liberdade”.

Por isso, os versos da canção dizem “Se você tivesse em sua casa / Ou a condição de ter / Em algum lugar / Uma asa / Para eu me locomover / Eu viria e levaria muito mais / A minha vida com você / Eu levaria muito mais”. Ou seja, a menção ao ponto turístico Pico do Urubu é implícita. E assim segue o disco, tentando, nas palavras do cantor “suavizar” as “relações humanas” em canções.

Segundo o produtor do CD, o também músico Paulo Betzler, “o projeto acabou virando um coletivo artístico, reunindo vários músicos e artistas da Cidade”. Alguns destes nomes, portanto, estarão presentes no palco, como Nelson Mortol na guitarra e violão, Daniel Trettel, no contrabaixo e violão, Gabriel Potel na flauta e Bia Mello nos vocais.

Rui Ponciano (Foto: Divulgação e reprodução)

Além deles, vários outros contribuíram para que o disco saísse do papel, como Betzler tem destacado nas redes sociais, a exemplo de Angelica Juriti, Daniel Granado, Odilon Bueno, Márcio Potel, Mariana Ribeiro, Ruth Schneider, Kaure Moro Caldas e Maitê Penteado.

“Há três anos começamos a pensar o álbum, já pensando num edital. E agora que está gravado, a intenção é levar o show para outras Cidades e inscrevê-lo em editais do Sesc/Sesi e de outros equipamentos públicos e particulares. Queremos dar visibilidade e horizontes maiores ao Rui, não só da Cidade ou Região, mas em outras localidades onde não temos oportunidade de levar a música mogiana. É um projeto grande, que queremos levar por muito tempo”, diz o produtor, que comenta que o show no Vasques será gravado, “com a intenção de fazer um DVD”.

Na verdade, levar música para os quatro cantos do País é uma das metas antigas de Ponciano. Nascido em 1953, em Santo André, ele formou a banda The Little Boys que interpretava Beatles na década de 1960, tempo em que se apresentava em programas de televisão. Mais tarde, quando começou a compor, integrou a banda ‘Oew’, cujo líder era Rogério Duprat (1932 – 2006), um dos principais responsáveis pela ascensão do movimento Tropicália, popularizado por Caetano Veloso e Gilberto Gil.

Já nos anos 80 Ponciano fez parte de grupos como o C.A.C.T.U.S. (Conjunto Artístico com Temas Unicamente Sociais) e Terra. Na década de 1990 ele se dedidou à proposta autoral ‘Leva’, e em 2004 lançou o primeiro CD, ‘Casa de Pano’, para depois não parar mais.

Dos 66 anos da vida do cantor, 53 foram dedicados à carreira de músico, e para celebrar esta marca só o show no Vasques seria pouco. Por isso, após a apresentação do lançamento oficial, ele faz um concerto, desplugado, só voz e violão, no Canto de Cabocla, no Centro, onde haverá também sessão de autógrafos. No Vasques (Rua Dr. Corrêa, 515), os ingressos serão distribuídos gratuitamente, uma hora antes do início do evento. Já no Canto de Cabocla (Rua Barão de Jaceguai, 944) a entrada custa R$ 5,00. (Heitor Herruso – Especial para O Diário)