EDITORIAL

Sabaúna merece!

Mais do que a recuperação de um símbolo do antigo Distrito de Mogi das Cruzes, a anunciada reforma da Estação e Museu Ferroviário de Sabaúna deverá ser um importante passo para a transformação daquela simpática localidade em um polo turístico.

Um convênio firmado entre os governos federal, estadual e municipal será o caminho para que, dentro dos próximos dez dias, tenha início a primeira etapa de um projeto que inclui a reforma do prédio da Estação, com readequação do telhado e do assoalho de madeira, além de obras para assegurar maior acessibilidade ao interior do local, mantendo suas características arquitetônicas originais. Todo esse trabalho na área interna vai facilitar a reorganização do acervo do Museu, que é mantido pela Associação Nacional de Preservação Ferroviária (ANPF).

A plataforma central da antiga Estação, ponto de parada dos trens de cargas e de passageiros que, outrora, percorriam diariamente a malha ferroviária da antiga Estrada de Ferro Central do Brasil, mais tarde assumida pela Rede Ferroviária Federal S/A, e atualmente sob responsabilidade da MRS, também será recuperada, ganhando cobertura e acesso mais fácil e garantido, assim como a antiga caixa d’água, datada de 1906, que servia para abastecer as antigas locomotivas a vapor que por ali trafegavam.

A área próxima da Estação terá playground para crianças e um palco, facilitando a realização de espetáculos para a população de Sabaúna e visitantes.

Todos esses planos, prestes a serem viabilizados, têm como objetivo transformar a pacata localidade num ponto de afluência de visitantes e de negócios a serem tocados pelos próprios moradores daquele Distrito, que têm na fábrica da Fame e em pequenas propriedades rurais suas únicas fontes de empregos e recursos. Exemplo de que tudo isso pode dar certo está a poucos quilômetros dali, em Luiz Carlos, o Distrito de Guararema que viu nas proximidades com a via férrea e na restauração de uma antiga locomotiva a vapor dois fatores decisivos para se transformar num polo comercial de grande movimento, especialmente nos feriados e finais de semana.

Aliás, uma das ideias que caminham juntas com a restauração da Estação de Sabaúna é estender até lá o percurso da Velha Senhora, a locomotiva de Guararema. O caminho ferroviário já está pronto. Bastará utilizá-lo, atuando na contramão do que se faz na maior parte do País, onde as linhas férreas estão abandonadas e inutilizadas.

O que se pretende com Sabaúna é a prova cabal de que as nossas velhas ferrovias ainda podem ser reaproveitadas até que alguma luz clareie a mente de nossos governantes e elas voltem a ter um papel de destaque na nossa economia, atualmente calcada quase exclusivamente no modal rodoviário. Que venham, pois, as obras. Sabaúna merece!