Saldo da Festa

Alguns dos resultados da Festa do Divino Espírito Santo demonstram o poderio de atração popular do evento religioso e popular de Mogi das Cruzes. A grande participação de devotos e não devotos na programação católica e folclórica condecora essa, como uma das principais festas realizadas na Região do Alto Tietê. No ano marcado pelo desemprego e pela desaceleração da economia, o balanço financeiro apresentou um aumento de 13% no valor arrecadado em relação a 2015. As vendas doces, salgados e pratos típicos são feitas por entidades sociais, na quermesse.

Ainda no período de preparativos, alguns dos organizadores chegaram a prever uma redução na arrecadação. Enquanto a Festa do Divino ainda acontecia, o movimento nas noites de quermesse já indicava para o que se viu ao final. Pesa nessa avaliação o fato de a quermesse ser um ponto de encontro e de lazer, com entrada gratuita, e opções gastronômicas com preços variados.

A tradição é a grande força dessa manifestação cultural. E, nesses últimos tempos, as pessoas estão em busca de respiros contra um duro cotidiano, que afeta a vida de todos, a crise política, desemprego, violência urbana. Participar de uma festa popular [mesmo que não seja a maior delas, a do Divino] agrega as pessoas, dita ritmo diferente à rotina. Há outros aspectos. Essa é uma festa familiar, que estimula a convivência social. Além disso, contam a experiência, o conhecimento e a organização das entidades e de seus voluntários, cada vez mais, profissionais.

Ao retomar a condução da Festa do Divino, em parceria com a Associação Pró-Divino, que se mantém como um dos sustentáculos do evento, o bispo diocesano, dom Pedro Luis Stringhini determinou o enxugamento de gastos. E isso influência nas contas finais. Descontados os valores necessários para pagar as despesas, R$ 1,549.2007,62 serão repassados às 22 entidades sociais participantes da quermesse. Esse dinheiro faz diferença no atendimento dado a parcelas da população em diferentes graus de vulnerabilidade, crianças, jovens, adultos e idosos. De acordo com a Diocese, o recurso tem sido usado para atender regiões extremamente carentes do Alto Tietê. Esse é um exercício de alguns dos dons do Divino.

De concreto, a prestação de contas encerra a Festa do Divino de 2016. Agora, as atenções se voltam para o ano que vem. Que a Festa continue servindo aos interesses da coletividade, com o viés social e solidário. Sem o espírito de comunidade, um evento dessa envergadura, não se sustenta.


Deixe seu comentário