Salesópolis dá prêmio a quem refloresta área

 Além de duas represas, Salesópolis tem 90% do território classificados como de proteção ambiental / Foto: Arquivo
Além de duas represas, Salesópolis tem 90% do território classificados como de proteção ambiental / Foto: Arquivo

Em busca de recursos e apoio, a Prefeitura de Salesópolis, no Alto Tietê, tenta emplacar o projeto de um programa de pagamento por serviços ambientais no Estado de São Paulo. Desta forma, a cidade quer fazer com que os proprietários de terrenos em áreas de proteção mantenham os locais intactos ou os recuperem e ganhem uma ajuda financeira, já que os locais não podem ser usados para agricultura e criação de animais.

Conforme explica o prefeito da cidade, Benedito Rafael da Silva (PSD), a medida é um projeto que objetiva a compensação ambiental. “O proprietário ou produtor rural recebe um valor mensal para manter a propriedade preservada. No caso, a gente pega a APP (Área de Proteção Permanente), refloresta, cerca e paga uma compensação. É algo simbólico. Nós começamos com um recurso de R$ 50 mil, no total. Hoje já são cerca de 60 pessoas que protegem as suas áreas de proteção. Com a cobrança pelo uso da água (do Rio Tietê por parte dos produtores) pelo Subcomitê da Bacia, isso vai gerar uma quantidade maior de recursos. A Bacia deverá arrecadar algo perto de R$ 50 milhões por ano. Desta forma, a nossa intenção é aproveitar projetos”, disse.

O valor mensal para cada propriedade não está fechado porque depende do número de imóveis que serão beneficiados (apesar de protegerem, os 60 produtores terão que se cadastrar junto à Prefeitura para terem acesso ao auxílio). A ideia partiu da Administração Municipal porque percebeu o risco de degradação de boa parte da sua área de proteção. Salesópolis tem quase 90% de sua área territorial classificada como de proteção ambiental, além de ser berço do Tietê e ter duas represas (Paraitinga e Ponte Nova), essenciais para o abastecimento na Grande São Paulo.

“Nós temos que nos conscientizar de que somos produtores de água e batemos na tecla de que o município precisa receber uma compensação financeira por isso e por manter suas áreas de proteção, já que não temos a possibilidade de instalar indústrias, por exemplo”, destacou o prefeito. (Lucas Meloni)

Leia a matéria completa na edição impressa


Deixe seu comentário