PREVENÇÃO

Secretaria de Saúde de Mogi reforça ação contra o Aedes Aegypti

A Pasta já está promovendo várias ações para evitar a proliferação do mosquito e impedir aumento dos casos das doenças. (Foto: Arquivo)
A Pasta já está promovendo várias ações para evitar a proliferação do mosquito e impedir aumento dos casos das doenças. (Foto: Arquivo)

Para com conseguir enfrentar a dengue, chikungunya, zika vírus e outras doenças provocadas pelo Aedes Aegypti na Cidade, a Secretaria Municipal de Saúde tem um desafio pela frente: monitorar os acumuladores e o quintal das pessoas que trabalham com reciclagem de lixo e armazenam o material em casa. A Pasta já está promovendo várias ações para evitar a proliferação do mosquito e impedir aumento dos casos das doenças.

O assunto foi tratado pelo secretário municipal de Saúde, Marcello Cusatis, o Téo, durante a sessão de ontem da Câmara a fim de apresentar o plano de contingência para os anos 2018 e 2019. Ele foi convidado pelo vereador Protássio Nogueira, que se diz “preocupado” com o aumento de dengue no Estado.

O secretário informou que várias ações são desenvolvidas e que a Pasta e pretende intensificar os trabalhos na última semana do mês. Para o dia 30, está previsto um encontro com a participação dos mais de 150 brigadistas de 400 prédios públicos existentes na Cidade para pedir o engajamento de todos nos trabalhos de prevenção e conscientização. Ele pretende envolver a sociedade civil nessa campanha.

O secretário disse que as equipes enfrentam dificuldades para combater os focos das larvas, principalmente em residências de acumuladores compulsivos, que guardam toneladas de lixo, sendo que alguns também criam grande número de cães e gatos. Ele explica que a sala de Coordenação e Controle, integrada por equipes da Saúde, Defesa Civil e representantes de diversas secretarias municipais, estuda uma forma de melhorar a abordagem dessas pessoas por se tratar de saúde pública.

Outra preocupação são os recicladores, que costumam guardar parte do material em casa para vender depois. A fim de evitar os criadouros do mosquito nesses locais, Téo avisa que vai acionar a fiscalização e, se necessário, entrar nas residências mesmo sem a permissão do proprietário, já que está respaldado na lei que autoriza esse procedimento.

Ele informa ainda que as equipes da Saúde realizam trabalho constante para acabar com os criadouros no Município. Nesta semana, a ação vem sendo feita nos cemitérios, para retirar os plásticos dos vasos e os pratinhos de plantas colocados nos túmulos no Dia de Finados.

Neste ano, Mogi teve 109 notificações para dengue, com a confirmação de seis ocorrências. De chikungunya foram nove casos notificados e nenhum confirmado. Sobre febre amarela houve 10 notificados, dois confirmados e um óbito.