MÚSICA

Serginho Machado lança CD

Obra de Serginho Machado passeia pela moda de viola, rock, balada e o baião, o que ajuda a traçar o perfil da carreira do músico. (Foto: Divulgação)
Obra de Serginho Machado passeia pela moda de viola, rock, balada e o baião, o que ajuda a traçar o perfil da carreira do músico. (Foto: Divulgação)

Serginho Machado lança amanhã, às 20 horas, ‘Um Cancioneiro Degustador De Palavras’, o quarto CD da carreira de 35 anos do cantor e compositor mogiano. Com 11 músicas, duas delas em parceria com Henrique Abib e Paulo Henrique, o PH, o trabalho será apresentado pela primeira vez no Centro Cultural, com entrada gratuita.

Gravado no Estúdio Musical e Arte e Música (Emam), um dos braços da Secretaria Municipal de Cultura instalado na sede da Associação dos Expedicionários Mogianos, o álbum conduz a uma obra autoral lapidada durante a trajetória de vida do publicitário e professor de música, que há 15 anos se apresenta todos os finais de semana em restaurantes de Guararema.

Quando iniciou a composição da própria história, Serginho Machado pegava o violão e as roupas e partia para cidades de estados como Minas Gerais, Bahia e Santa Catarina. “Minha mãe ficava doida, preocupada, porque eu sabia apenas que estava indo”, diverte o interlocutor, ao contemporizar: “Hoje, estou em casa”.

Esse “em casa” é Mogi, a residência onde mora no Socorro, os amigos e compositores com quem convive, o sítio que possui na Serra do Itapeti, e a carreira que caminha para a quarta década.

A música de Serginho reflete esse recorte pessoal. Estão no novo trabalho, as raízes mogianas, histórias ouvidas dentro de casa e a vivência no meio caipira que ainda residente na cidade, em faixas como Moda da Roça solo construída.

‘Tem afogado paçoca de montão/Quem gosta do forró dança até cair no chão/Dança João, dança Maria/Mexe as cadeiras faz a festa na minha mão/É a moda da roça festa do povo da região’, diz a letra, projetando um universo conhecido das festas religiosas familiares mantidas no calendário santo de centenas de casas mogianas.

O CD reúne ainda balada, rock, baião, numa salada de estilos garimpada nos anos de shows e apresentações feitas em diferentes espaços e momentos da trajetória.

A faixa título, ‘Um Cancioneiro Degustador de Palavras’, o artista se diz um aprendiz de si mesmo. E invoca a música e a arte, como um meio de expressão nos dias atuais. “A minha música busca valorizar um conteúdo que parece perdido”, invoca, contando um susto que levou, no ano passado, durante um show, quando foi ameaçado por um seguidor de suas redes sociais por causa de seus posicionamentos.

“Eu me vi acuado e estou muito surpreso com a reação violenta das pessoas diante da opinião diferente. Nós estamos vivendo algo muito difícil”, conta, acreditando que a música é instrumento de transformação social. “O que está acontecendo em Brumadinho, com o rompimento das barragens, é resultado da falta de conversa, de ouvir o outro, de entender, por exemplo, que se você matar a vaca porque ela tem carrapato, você vai acabar com a vida da vaca, do produtor da vaca, e do consumidor, ao final”, indica, com a voz sempre pausada e um sotaque que agrupa vários acentos fonéticos arregimentados ao longo da jornada.

No palco, Serginho Machado terá a companhia da cantora Henriette Fraissat, além de Bia Mello e Heloisa Cabra (backing vocal), e os músicos Paulo Henrique, PH, (no violão, violoncelo e contrabaixo), Mariana Ribeiro (violino e viola de arco), Dani Dias (viola caipira) e Pedro Cirilo (percussão e bateria).