MÚSICA

Show reverencia o som jamaicano

NO PALCO Waru defende questões socioculturais, espirituais e ecológicas em canções próprias. (Foto: divulgação)
NO PALCO Waru defende questões socioculturais, espirituais e ecológicas em canções próprias. (Foto: divulgação)

Em comemoração à presente data, 11 de maio, que é considerada como o dia nacional do reggae, o músico baiano Ubaldo Waru, que mora em Mogi das Cruzes há 12 anos, fará uma apresentação especial no Centro Cultural. Trata-se de um show que mescla canções autorais com hits do gênero que surgiu na Jamaica, na década de 1960. A apresentação está marcada para as 20 horas, com ingressos à R$ 10,00 por pessoa.

Segundo Waru, a maioria das canções são inéditas para o público mogiano, como ‘Adubo’, ‘Sistema de Coisas’, ‘Jahjah’, ‘Babilônia em Chamas’ e ‘Negra Melodia’, sendo que esta última dá nome ao show e também revela a origem de sua musicalidade.

“Comecei minha carreira musical tocando nas praias e em festas de largo de Salvador e também tocando e compondo músicas para os blocos afros da Bahia. Ao perceber as dificuldades enfrentadas pelos afrodescendentes eu enxerguei no reggae a música ideal para a comunicação com o povo oprimido”, conta o cantor, que fez o primeiro concerto solo em 1986, ano em que foi premiado como melhor percussionista pelo Troféu Caymmi, o que lhe rendeu a oportunidade de tocar ao lado de Carlinhos Brown.

Depois desse ano, Waru seguiu defendendo “questões socioculturais, espirituais e ecológicas” em canções próprias, trabalho que o levou para uma excursão artística em diversas cidades da França, como Paris e Nice. Mais tarde, de volta ao Brasil, ele gravou o primeiro disco de estúdio, ‘Reggae Man’.

Ao longo desta peregrinação internacional, o baiano conta ter dividido palco com grandes nomes do reggae, como Edson Gomes, Pato Banton e Jimmy Cliff. “Também tive participação em diversas coletâneas, como a SkaCompilation, que contou com Damian Marley (um dos filhos de Bob Marley – o mais conhecido músico deste gênero, falecido em 1981)”.

Para a apresentação deste sábado, o artista, que ministra workshops e aulas de percussão numa escola de música no Centro da cidade, espera a presença de “todos os amantes do reggae, gênero que não é moda, e sim um alicerce sociocultural e espiritual”.

O Centro Cultural está localizado ao número 360 da Praça Monsenhor Roque Pinto de Barros, e outras informações sobre o evento estão disponíveis pelo telefone 4798-6988.