INFORMAÇÃO

Sob ameaça do novo coronavírus, como ficarão as futuras eleições?

Se nada mudar até lá, como será a campanha para prefeito e vereador?

A persistir, por mais algum tempo, a pandemia do novo coronavírus, a pergunta que fica é a seguinte: o que isso poderá mudar nas campanhas políticas que se aproximam? Afinal, nas últimas eleições, as campanhas locais foram feitas especialmente na base de reuniões dos candidatos com grupos de eleitores, além do corpo-a-corpo, que é contato direto com os eleitores, nas ruas do centro ou bairros da cidade. A persistirem os riscos da contaminação, qual será o caminho a ser seguido pelos políticos? Irão seguir o exemplo do presidente Bolsonaro e jogar para o alto as recomendações médicas? Mas, e os eleitores, irão aceitar a exposição aos perigos de uma doença, pelo menos até agora, ainda sem controle, que tende a se expandir progressivamente nos próximos dias, semanas e até meses? Ou seja: se até o período de campanha nada mudar em relação ao novo corona, fica no ar outra indagação: a campanha será feita exclusivamente pela televisão e redes sociais, via internet? Proibidas as aglomerações, como farão os candidatos para um contato direto com os eleitores, nas conhecidas reuniões noturnas, ou no corpo-a-corpo das ruas? E os cabos eleitorais: poderão ficar, em grupos, nas esquinas, sacudindo bandeiras ou entregando santinhos e outras propagandas dos candidatos?Todas essas perguntas são, na verdade, um exercício de futurologia. Afinal, é muito provável que até o início para valer das futuras campanhas, os cientistas já tenham encontrado uma fórmula para se impedir o avanço do vírus e, quem sabe, até descoberto uma vacina capaz de imunizar as pessoas contra os riscos da Covid-19. É o que se espera que aconteça. Caso contrário, depois de jogos sem torcidas, programas de auditório sem público, atrações turísticas sem visitantes e até escolas sem aulas, correremos o risco de ter também uma campanha sem eleitores ou muito distante deles. São tantas as mudanças na vida das pessoas, em tão pouco tempo, que nem dá para descartar totalmente que isso possa vir a ocorrer. A torcida, é lógico, não é para isso aconteça, mas a democracia possa ser exercida em sua plenitude, com as campanhas dos candidatos ganhando as ruas, com contatos diretos com os eleitores, reuniões e tudo mais. Sem os temores da contaminação que hoje, infelizmente, atingem a todos.

Investindo – 1

Os diretores do Hospital Santa Maria de Suzano, Adalcindo Vieira e Mannie Liu, alugaram um ponto de 5,5 mil m² de área total, localizado em frente à instituição de saúde, o qual, num passado recente, abrigou uma das unidades da rede de supermercados Maktub. São 3,5 mil m² de área coberta. Para lá, serão destinados um boulevard, incluindo teatro com capacidade para 200 pessoas, além de espaços voltados para consultórios e gastronomia.

Investindo -2

Com estacionamento para 80 veículos, o privilegiado espaço, na área urbana de Suzano, deverá estar pronto para ser inaugurado dentro de oito meses, após uma ampla reforma. Os médicos e empresários apostam em um complexo comercial diferenciado, acompanhando o desenvolvimento daquela cidade, em vários setores, nos últimos anos. A princípio, os rumores davam conta de que o imóvel havia sido adquirido, mas Vieira e Liu garantem que foi somente alugado.

Ouvidor

O novo ouvidor da Secretaria de Segurança Pública do Estado, Elizeu Lopes, ficou impressionado com a estrutura encontrada por ele na pasta que está ocupando há pouco mais de um mês. Para se ter uma ideia, o principal meio de comunicação entre o público e a Ouvidoria, ainda é o telefone. Por isso, uma de suas primeiras medidas será incluir as redes sociais e outras facilidades, visando proporcionar acesso mais rápido e fácil ao órgão. Irmão do vereador Jean Lopes (PC do B), Elizeu é natural de Nanuque (MG) e veio para Mogi com 4 anos. Hoje, está prestes a completar 50.

Nos ônibus

As pessoas portadoras do Transtorno do Espectro Autista poderão ser beneficiadas com a reserva de assentos exclusivos para elas nos ônibus municipais de Mogi das Cruzes. Basta que seja aprovado o projeto de lei de autoria do vereador Emerson Rong (PL), que está tramitando pelas comissões permanentes da Câmara. Os bancos deverão exibir o símbolo mundial de conscientização sobre TEA visando garantir os lugares específicos para este público.

Frase

Espero que o novo coronavírus dê ao presidente Jair Bolsonaro um pouco de humildade.

Antonio Delfim Netto, ex-ministro, em entrevista ao jornal O Globo do último domingo


Deixe seu comentário