EDITORIAL

Soluções regionais

As respostas dos gestores públicos e das sociedades locais para a pandemia têm impacto na vida de todos os moradores das cidades do Alto Tietê. As decisões sobre o desenvolvimento socioeconômico são tomadas individualmente pelos municípios, mas o efeito deles é regional.

Desta forma, torna-se uma urgência regional, a busca e a execução de soluções conjuntas para o rombo financeiro provocado pela queda na arrecadação estimada entre R$ 700 mil e R$ 1 bilhão pelo Consórcio de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê (Condemat).

O que acontece em cada uma dessas cidades, não importa se Biritiba Mirim, Itaquaquecetuba, Guararema ou Poá, têm influência no bloco unido política e geograficamente pela passagem do rio Tietê.

A interdependência começa com a produção da água para o consumo e atinge todos demais indicadores de qualidade de vida – saúde, educação, trabalho, transporte, meio ambiente, etc.

A população dessas cidades está umbilicalmente entrelaçada. Agora mesmo, o enfrentamento da Covid-19 demonstrou essa realidade.

Medidas saneadoras para os deficits financeiros são a saída para as prefeituras. A pergunta que vale um milhão é: quais cidades vão cumprir essa cartilha e penalizar menos, ao final das contas, seis cidadãos e os demais da região?

De saída, o maior desafio será compatibilizar medidas impopulares e os interesses políticos do calendário eleitoral. A começar dentro das prefeituras, com a eliminação de horas extras e gratificações recomendada pelo Condemat. Os servidores públicos compõem uma das poucas categorias que não tiveram a redução de salários.

A maior parte dos prefeitos deve ser candidato à reeleição ou têm interesses na sucessão. E já se nota o peso disso: decisões administrativas na própria área da saúde têm sido contaminadas pela demanda eleitoral e pressão de grupos econômicos um pouco mais articulados.

Vimos isso em diferentes momentos, nas últimas semanas. A mensagem aos cidadãos era uma, mas as ações e determinações, outras.

Para ficar em um exemplo, em Mogi, a entrega da revitalização do Pico do Urubu, obra esperada para vitaminar o turismo da cidade, foi feita em momento, no mínimo, questionável, quando as visitas a esse monumento natural e histórico estão suspensas para inibir as aglomerações.


Deixe seu comentário