Supremo acha escuta em gabinete de Luís Barroso

  Um aparelho de escuta foi localizado no gabinete do ministro do STF, Luís Barroso / Foto: ABR
Um aparelho de escuta foi localizado no gabinete do ministro do STF, Luís Barroso / Foto: ABR

Um aparelho de escuta foi localizado no gabinete do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Luís Roberto Barroso, em Brasília. Ele considerou o fato “gravíssimo”. O dispositivo foi achado no dia 11 de abril em uma varredura de rotina realizada pelo setor de segurança do tribunal, mas a informação só foi divulgada ontem.

O equipamento de gravação estava instalado embaixo da mesa de trabalho do ministro, numa caixa embutida no chão, cheia de fios. No momento em que foi localizado, o aparelho estava desativado.

O STF abriu uma investigação preliminar interna, sem a participação da Polícia Federal. A reportagem apurou que a PF não havia sido acionada pelo tribunal, até as 20h30, para apurar o caso por meio de um inquérito policial.

A apuração interna do STF vai avaliar aspectos técnicos do aparelho e tentar dizer se alguma vez ele chegou a ser acionado. O tribunal não informou o modelo do dispositivo nem o sistema de varreduras realizadas nos gabinetes dos ministros. A justificativa é que as informações são protegidas por questão de segurança.

Barroso foi relator do chamado acórdão do processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff, texto que traz o resultado do julgamento que fixou o rito do pedido de afastamento da petista. O ministro também é relator do processo de execução das penas dos condenados no caso do mensalão.

O ministro disse que “institucionalmente” a ação detectada em seu gabinete “preocupa”, mas que está tranquilo porque seu trabalho “é republicano”.

“Do ponto de vista institucional, é gravíssimo. Uma ousadia, uma desfaçatez alguém colocar um aparelho de escuta no gabinete de um ministro do Supremo, tenha sido no meu, ou se estivesse aí desde muito antes, o que não se sabe. Agora, do ponto de vista pessoal, estou totalmente tranquilo e confortável, aqui é um espaço totalmente republicano”, disse.

Barroso é conhecido por elaborar votos em sua residência. O ministro ocupa um gabinete no quarto andar do Supremo desde 2013, quando assumiu o cargo de ministro. Ele herdou a sala do ex-ministro Joaquim Barbosa, que ganhou notoriedade com seu papel como relator do processo do mensalão.

Segundo a reportagem apurou, quando Barroso chegou ao tribunal, o gabinete passou por uma ampla reforma.

Em 2008, um relatório também da Secretaria de Segurança do tribunal apontou que o gabinete do então presidente da corte, Gilmar Mendes, teria sido alvo de “um possível monitoramento que pode ter ocorrido nas proximidades do edifício sede”. Contudo, investigações posteriores realizadas pela PF e pelo Congresso não confirmaram a escuta no STF.