LATROCÍNIO

Suspeito de matar policial militar aposentado em Itaquaquecetuba é preso

Delegado Alexandre Batalha adotou providências contra os envolvidos, entre eles Fabrício Farias, autor dos disparos. (Foto: Laércio Ribeiro)
Delegado Alexandre Batalha adotou providências contra os envolvidos, entre eles Fabrício Farias, autor dos disparos. (Foto: Laércio Ribeiro)

O delegado Alexandre Batalha, titular em exercício do Setor de Homicídios, mandou, no início da noite de ontem, para a Cadeia Pública de Mogi das Cruzes, o marginal Fabrício Farias Pimentel, de 19 anos, e os seus comparsas, dois adolescentes infratores, de 15 e 16 anos. O trio capturado pela Polícia Militar, em Itaquaquecetuba, praticou latrocínio, no fim da tarde de domingo, no Jardim América, em Poá. Armado com revólver, de calibre 38, já apreendido, Fabrício contou a O Diário que “o policial tentou pegar a arma e atirei no peito”. Ele já tinha antecedentes por tráfico de drogas e roubo.

“A arma do policial reformado foi apreendida na casa do menor, de 16 anos, em Aracaré, na cidade de Itaquá, onde todos residem”, disse o delegado Alexandre Batalha. Ele esclareceu que as buscas prosseguem visando a prisão de um quarto criminoso foragido.

De acordo com  autoridade, ‘”os assaltantes queriam roubar o carro (HB20) e ao descobrirem que a vítima tratava-se de um policial o mataram, um deles fez disparo com revólver, de calibre 38. Nas buscas, a Polícia Militar recuperou a arma roubada no assalto”.

Após o assalto ser consumado em Poá, os bandidos fugiram para Itaquá. Ontem, o delegado Alexandre Batalha indiciou Fabrício Farias por latrocínio e ainda pelo crime de organização criminosa. Os adolescentes foram sindicados e também ficaram à disposição da Justiça.

Fabrício foi detido, de acordo com os policiais militares, no telhado de sua residência. “Ele estava bastante debilitado, pois é diabético e não havia injetou insulina”, contou a equipe que o removido ao Hosptial Santa Marcelina, onde foi medicado e liberado. Os investigadores Djalma e Valmir, do Setor de Homicídios, elaboraram relatório sobrem o crime e seguem nas buscas. A pedido do delegado Alexanere Batalha a Justiça decretou a prisão temporária de Fabrício.