TRÁFEGO

Trânsito se afunila no corredor Leste-Oeste na chegada a Suzano

Avenida Jorge Bei Maluf, em Suzano, é de faixa simples, enquanto a Guilherme George tem duas mãos. (Foto: Natan Lira)
Avenida Jorge Bei Maluf, em Suzano, é de faixa simples, enquanto a Guilherme Georgi tem duas mãos. (Foto: Natan Lira)

A avenida das Orquídeas completa um mês de inauguração com evolução no número de veículos que utilizam o Corredor Leste-Oeste no trajeto entre Mogi das Cruzes e Suzano. Mas parte do investimento de Mogi ainda está em desuso. Trata-se da ponte sobre o Rio Taiaçupeba. Isso porque a avenida Guilherme Giorgi chega na divisa com Suzano com duas faixas, mas o trânsito afunila para apenas uma após a ponte porque a avenida Jorge Bei Maluf é de faixa simples.

Leandro Rodrigues, de 26 anos, é vendedor em uma loja de carros bem na divisa entre Mogi e Suzano. Ele conta que até o momento ainda não há trânsito intenso no local devido ao afunilamento, mas diz que isso pode acontecer caso aumente o número de veículos que utilizam a via. “A 500 metros daqui tem a Clariant e um farol que demora muito para abrir. Quando os funcionários de lá saem, fica bastante trânsito no local, então se estiver muito carro indo daqui pode parar, sim”, pontua.

Em nota, a Prefeitura de Suzano informou que o prefeito de Suzano, Rodrigo Ashiuchi (PL) está em tratativas com o deputado federal Marco Bertaiolli (PSD) sobre o projeto de melhorias para a avenida Jorge Bei Maluf, que vai do limite de Mogi até a avenida Major Pinheiro Fróes, em Suzano. Posteriormente, a proposta será levada ao Governo do Estado.

Tirando o afunilamento da via, quem vive em Jundiapeba avalia de forma positiva o Corredor Leste-Oeste. O aposentado Expedido Ubiratan Tobias, de 55 anos, disse que a via trouxe até uma opção de lazer aos moradores, que não tinham onde correr. Segundo ele, agora um grupo de cerca de 30 pessoas faz caminhada no local. “É um lugar seguro para a prática, que antes não havia por aqui. Podemos falar até na criação de uma terceira Jundiapeba, que deve começar a crescer a partir dessa nova via”, disse.

O aposentado destacou como necessário na via, agora, apenas a correção do acesso da rua Adriano Pereira para quem acessa a pista no sentido Braz Cubas. Segundo ele, as carretas têm encontrado dificuldade para fazer a manobra. “Mas é um ajuste que a Prefeitura pode fazer e não vai interferir no que já foi feito”, disse.

Além disso, de acordo com outro levantamento da pasta, o tempo gasto pelos motoristas para percorrer os 9,5 quilômetros pelo Corredor Leste-Oeste varia entre 10 e 15 minutos. Já os 9,8 quilômetros pelo caminho antigo, pela SP-66 com passagem pela região central da cidade, é feito em até 60 minutos. O ponto de chegada para comparação foi a praça João Antonio Batalha, no Shangai. O estudo levou em conta o número de semáforos existentes nos dois trajetos. Enquanto o caminho pelo novo corredor possui apenas cinco equipamentos, no antigo são 37.

Transporte

Um levantamento feito pela Secretaria Municipal de Transportes também apontou crescimento no número de passageiros que utilizam a linha E114 Terminal Estudantes – Jundiapeba, via avenida das Orquídeas. Durante a semana, a média é de 500 passageiros, com pico de até 590 usuários diariamente. Aos finais de semana, a média passa para 120 passageiros também por dia.