INFORMAÇÃO

Tribunal de Contas manda Cejam devolver R$ 15,9 mi

Segundo órgão fiscalizador, a organização social teria recebido a verba irregularmente

O Centro de Estudos e Pesquisas Dr. João Amorim (Cejam), terá de devolver à Prefeitura de Mogi das Cruzes a quantia de R$ 15.994.612,23 recebida irregularmente por contrato firmado no exercício de 2017, segundo decisão do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo. A empresa poderá recorrer da medida. Segundo apurou a coluna, a ilegalidade apontada pelo TCE em relação ao Cejam é recorrente em contratos de organizações sociais com prefeituras. Nesses contratos, há sempre um item que é denominado “dinheiro de sede”, o qual prevê a destinação de 0% a 5% do valor contratado para gastos específicos da organização, como pagamentos a advogados, despesas com publicações de editais, entre outros. Acontece que, segundo informações obtidas pela coluna, não há um regramento específico para a prestação de contas das despesas relativas a esse item. Quando é feita a prestação de contas, o TCE geralmente entende como “inexplicados” tais gastos. No caso de Mogi, os contratos estabelecem um percentual de 4% como “dinheiro de sede”, cabendo à organização social prestar contas ao TCE de que maneira esta parte da verba foi gasta. Como as regras para os gastos não são, segundo fontes, devidamente explicitadas, torna-se comum a rejeição das contas desse item pelo órgão fiscalizador. Agora caberá ao Cejam recorrer e encontrar argumentos para dar as devidas explicações aos conselheiros do TCE. Caso isso não ocorra, a solução será devolver o dinheiro para a Prefeitura Municipal de Mogi das Cruzes.

A China é ali

Após as visitas dos prefeitos de Mogi e Suzano, em setembro do ano passado, a rota para a China volta a ser percorrida por políticos da cidade e região. O presidente da Câmara, Sadao Sakai (PL), o vice-prefeito Juliano Abe (MDB), o secretário de Desenvolvimento Clodoaldo de Moraes e o vereador Jean Lopes (PC do B) estão por lá, juntamente com o prefeito de Suzano e presidente do Condemat, Rodrigo Ashiushi (PL), outros políticos e dirigentes do Ciesp. Lá, visitaram a Hik Vision e Alibaba, grandes empresas de monitoramento e de projetos de cidades inteligentes.

De olho

A exemplo do que vem acontecendo na quermesse da Festa do Divino Espírito Santo, o sistema de reconhecimento facial, cedido pela chinesa Dahua Technology, será utilizado pela Guarda Municipal de Mogi durante a Entrada dos Palmitos, amanhã. O equipamento está conectado com a lista de marginais procurados e de pessoas desaparecidas da polícia paulista e é capaz de reconhecer tais pessoas em meio à multidão.

Meio ambiente

A Suzano Papel e Celulose e a rede de fast food Burger King se uniram para auxiliar na redução na produção e consumo de plástico, evitando seu impacto negativo no meio ambiente. O BK começa, em setembro, a oferecer canudos biodegradáveis de papel produzidos pela Suzano a seus clientes. A fábrica, com sede na região, também está produzindo o Bluecup, de papel cartão feito a partir de eucalipto. O vereador Otto Rezende (PSD), autor da lei que proíbe canudos plásticos na cidade, comemora as novidades.

Caixeiras

Um grupo de caixeiras do Divino Espírito Santo, da família Menezes, do Maranhão, estará participando do Encontro de Domingo, festa com música, dança, teatro e poesia populares, que acontecerá na quadra da Escola de Samba Águia de Prata, na Vila da Prata, domingo, a partir de 17 horas. As caixeiras (mulheres ritmistas que tocam as chamadas caixas do Divino) reviverão o batizado do boi, folguedo da tradição maranhense, onde o boi nasce, é batizado e morre para renascer no ano seguinte. Elas estão na cidade para aprimorar o toque de um subgrupo do Jabuticaqui, de Mogi, denominado Caixeiras da Lua.

Frase

O mundo pode ser um palco. Mas o elenco é um horror.

Oscar Wilde (1854-1900), influente escritor, poeta e dramaturgo britânico de origem irlandesa