INFORMAÇÃO

Trilha do Dória é reativada para aventureiros da região

Passagem é parte da Estrada da Petrobras situada entre Salesópolis e S. Sebastião

Os aventureiros do Alto Tietê que costumam passar por trilhas da região ganharam uma nova opção. Uma parceria entre as prefeituras de Salesópolis e São Sebastião, no Litoral Norte, reativou a Rota Dória, aberta no século XIX pelo padre Manoel de Faria Dória, segundo consta, sem parentesco mais próximo com o governador João Doria Júnior. É a primeira vez que, segundo a Secretaria de Turismo de São Sebastião, o caminho teve o seu traçado original restaurado, em mais de um século de existência. De início, Salesópolis é quem está comercializando o passeio, dentro da programação do Núcleo Padre Dória do Parque Estadual da Serra do Mar. Em pouco tempo, a cidade litorânea deverá transformar em atrativo turístico o trecho da trilha saindo de São Sebastião até a estrada da Limeira, em Caraguatatuba. Na década de 60, a Petrobras abriu uma estrada para instalação de um oleoduto ligando o porto de São Sebastião e a Refinaria de Paulínia, na região do planalto, próxima a Campinas. No trecho mais difícil da Serra do Mar, a empresa decidiu aproveitar grande parte da legendária Estrada do Padre Dória. Ligando o Planalto ao Litoral Norte, a estrada do Rio Pardo passa pelos núcleos de Caraguatatuba, São Sebastião e Padre Doria, num percurso de aproximadamente 50 quilômetros, com cenário contemplativo fantástico de trilhas, cachoeiras, rios, além dos aspectos histórico, arqueológico e cultural. A história da Rota Dória é antiga. Segundo historiadores, entre os séculos XVI e XVII, diante da inexistência de melhores caminhos para o porto de São Sebastião, o Governo da Província de São Paulo determinou que se iniciasse a abertura de estradas que levassem o povoamento às regiões que compreendiam São Sebastião, Ilhabela, Caraguá e Paraibuna, entre outras cidades do Vale e Alto Tietê. As obras só foram iniciadas no século XIX com a ajuda dos padres de São Sebastião, designados com inspetores de estradas. O padre Dória foi o único a completar sua missa e a de seus companheiros, mas com sua morte, a principal estrada foi fechada e proibida de ser mencionada em mapas e documentos a partir de 1843. Lendária e turística, a Rota Dória foi criada em cima do traçado de antigas trilhas indígenas e no caminho clandestino do tráfico de escravos. O trajeto deixa Salesópolis, permeia a Serra do Mar pela Estrada do Rio Pardo (da Petrobras), cortando o Parque Estadual da Serra do Mar. Passa por casarões de época com suas histórias, lendas, paisagens e relevo montanhoso com destino a São Sebastião, onde viveu e morreu o padre Dória.

Saúde bucal
A professora Mariana Gabriel, da Faculdade de Odontologia da Universidade de Mogi das Cruzes, é uma das organizadoras do livro eletrônico Sus e a Saúde Bucal no Brasil – Por um futuro com motivos para sorrir, lançado pela Faculdade de Odontologia da USP, um relato dos resultados e práticas de sucesso do Programa Nacional de Saúde Bucal, braço do SUS em atividade desde 1988, considerado referência mundial no atendimento odontológico, voltado especialmente aos setores mais carentes da comunidade. A obra pode ser baixada gratuitamente pela internet.

Dificuldade
Não foi nada fácil para Rodrigo Valverde trocar uma reeleição praticamente garantida para vereador e a oportunidade de concorrer para deputado com cacife eleitoral elevado, pela aventura de uma candidatura a prefeito de Mogi no pleito do próximo ano. Somente a união de todos os segmentos do PT local em torno de seu nome acabou lhe dando a confiança necessária para entrar numa disputa inegavelmente difícil.

Facilidade
Quem certamente comemorou a decisão de Valverde se candidatar à Prefeitura de Mogi em 2020 foi seu colega de Câmara, Iduigues Ferreira Martins. Candidato à reeleição, ele poderá herdar parte dos votos que seriam de Valverde, devendo, a partir de agora, se preocupar muito mais com os demais concorrentes ao Legislativo da futura chapa a ser lançada pelo PT. Um detalhe: como não haverá coligação na eleição proporcional, Iduigues precisará de alguns bons puxadores de votos a seu lado para ajudá-lo no retorno à Câmara. Quem sabe, com novos colegas do partido.

De novo?
“Cuco é o novo presidente da Câmara de Rio do Campo”, informa o jornal A Tribuna do Vale. É claro que não se trata do vereador tucano e mogiano José Antonio Cuco Pereira, 77 anos, cumprindo o seu sétimo mandato e tendo ocupado a presidência por sete vezes. O outro Cuco é o vereador Diomar Salowiski, 38 anos, filiado PT, que segue os passos do mogiano: vai presidir a Câmara pela segunda vez, em seus dois mandatos. Produtor de fumo da comunidade de Varaneira, localizada em Rio do Campo, com cerca de 7 mil habitantes, no Estado de Santa Catarina, o Cuco de lá foi reeleito com 333 votos; o de cá, com 2.446.

Frase
O Brasil precisa modernizar o seu sistema Previdenciário. Nós vamos votar pela reforma. Mas qual reforma?
Deputado Marco Bertaiolli (PSD), que toma posse hoje, em Brasília, no cargo de deputado federal para seu primeiro mandato