EDUCAÇÃO

TV Câmara de Mogi começa a transmitir aulas da rede municipal de ensino

Material da rede municipal, já disponível na internet, será exibido de segunda a sexta. (Foto: arquivo)
Secretaria municipal de Educação, Juliana Guedes, explica que parceria amplia o acesso dos alunos ao material.

A partir desta segunda-feira (1º), os alunos de escolas e creches da rede municipal têm mais uma opção para acompanhar o conteúdo produzido pelos técnicos pedagógicos da Secretaria de Educação de Mogi. Além do acesso às videoaulas pela internet, no canal e portal da pasta, Youtube, Facebook, link enviado pelo WhatsApp, com 113.725 visualizações desde 18 de maio até a última quinta-feira, haverá exibições do material de segunda a sexta-feira, às 8 horas, com reprise às 13 horas, pela TV Câmara – canal 60.2 UHF e canal 7 da Net Claro.

Segundo a secretária municipal de Educação, Juliana Guedes, a parceria com o Legislativo ampliará as possibilidades de acesso às videoaulas, que reproduzem o material didático adotado pelo município. “Para a Educação Infantil temos o IBA (Interagir, Brincar e Aprender) e para o Ensino Fundamental I, o Emai (Educação Matemática nos Anos Iniciais), de Matemática, e o Ler e Escrever, de Língua Portuguesa. Adaptamos algumas das atividades para que os alunos pudessem desenvolvê-las com maior autonomia”, explica.

Na avaliação da secretária, neste mês, tudo o que foi postado está em fase experimental e passando por ajustes, mas o retorno foi positivo, por isso o modelo deve ser mantido até o retorno das aulas presenciais, previsto para a segunda quinzena de julho, de forma parcial.

Com 2 mil professores, ela explica que não há condições de gravar videoaulas com cada responsável pelas salas de aulas. “Estamos atendendo 39 mil alunos, desde a Educação Infantil 2, a partir dos 3 anos, até o 5 ano do Ensino Fundamental 1, com crianças de 10 anos. A equipe de professores do Departamento Pedagógico da Secretaria, em conjunto com os técnicos pedagógicos, que cuidavam das salas de informática e hoje nos apoiam na divisão de tecnologia, produzem os vídeos e organizaram as atividades sem custos. Não compramos nenhuma solução pronta”, frisa.

A rede municipal tem 47.769 alunos, mas não é possível atingir a todos com as videoaulas, já que muitos são bebês, ainda que algumas das atividades sejam direcionadas aos pais destas crianças. Já a única escola que oferece o Ensino Fundamental 2, com salas do 6º ao 9º ano, o Cempre (Centro Municipal de Programas Educacionais) Benedito Ferreira Lopes, antigo Caic, realiza atividades em uma plataforma de uso exclusivo, com atividades direcionadas a seus estudantes. “O núcleo de direção cuida destas questões junto com os professores e tem feito contato com os pais para que possam retirar materiais quando necessário, com atenção aos alunos que não têm acesso à internet para prover este acesso a eles ou substituir as atividades online por escritas”, conta Juliana.

Porém, embora dos 650 alunos da escola, apenas 16 não possuam acesso à internet e haja o cuidado para que tenham os mesmos direitos dos outros, existe uma observação ruim. “Apesar da maioria ter acesso à internet, de a escola já ter feito contato e disponibilizado o material, 40% dos alunos nem entraram no sistema para fazer a aula. É imprescindível que as famílias compreendam a necessidade de estabelecer uma rotina para os filhos de qualquer idade, senão teremos problemas de conteúdo e eficácia do ano letivo na volta às aulas”, alerta.

Ela avalia que na cidade, a maioria não tem problemas com o sinal de internet, com exceção de alunos que moram na zona rural. “Nestas áreas temos feito um trabalho bem específico e as transmissões da videoaulas pela TV Câmara vai atender, principalmente, estas pessoas”, destaca, lembrando que a programação postada nas redes sociais nas duas primeiras semanas de atividades online serão exibidas a partir de amanhã e, a partir da próxima semana, simultaneamente, o que for publicado no Facebook e YouTube estará na TV Câmara.

“As videoaulas não são longas, porque são explicações do que deve ser feito, mas demandam que a família nos auxilie para que os exercícios sejam realizados em um caderno que será recebido pelo professor da sala no retorno das aulas. Além disso, cada escola propõe outras atividades. Cada uma escolheu um recurso, como WhatsApp, email e outras ferramentas, e os professores enviam exercícios complementares às videoaulas, como lições de casa”, enfatiza.

As avaliações não serão realizadas neste momento. “Faremos isso de maneira diagnóstica e criteriosa no retorno das aulas para entender o que não foi aprendido e investir em aulas de reforço. Qualquer déficit de conteúdo será reposto, seja com aulas de reposição e até de recuperação”, garante.

A orientação da secretária para quem tem filhos na fase de alfabetização é seguir as videoaulas. “Não se deve fazer grandes experiências com as crianças até porque a forma como nós, adultos, fomos alfabetizamos, é diferente daquela que gente os alfabetiza hoje, o que pode gerar confusão às crianças. Quando voltarmos, o foco será recuperar o tempo perdido e o conteúdo de todas as crianças”, explica.

Já para os filhos que estão no 5º e 9º anos, na fase final de cada ciclo do Ensino Fundamental, é necessário maior empenho dos pais para manter a rotina de estudos. “Precisamos que tenham um olhar atento, principalmente no retorno às aulas, quando vamos empreender reforço escolar a estas crianças”, diz.

A avaliação do que tem sido feito até o momento é positiva. “Não existe perda de ano letivo porque até 10 de maio, tudo o que usamos para paralisações já seriam paradas normais que teríamos ao longo do ano, como recesso, reuniões, feriados e formação de professor. No máximo, temos 1 mês e meio a 2 meses de atraso, e recuperaremos o tempo perdido. As ferramentas educacionais online que propomos, principalmente o Simulados, continuarão sendo usadas, principalmente para fins de reposição”, lembra.

Quem ainda não recebeu em casa o material entregue pela secretaria deve aguardar a ligação da escola. “Muitas diretoras estão levando à residência dos alunos, em horário pré-determinado. Finalizamos boa parte da entrega e se sobrar algo, faremos isso nesta segunda e terça-feira. Tivemos dificuldades porque o endereço de alguns alunos estavam desatualizados na escola ou não havia ninguém em casa na hora da entrega, porque os pais que continuam trabalhando têm optado por deixar os filhos na casa de algum familiar”, conta.

As dúvidas podem ser enviadas para o e-mail parafazeremcasa@se-pmmc.com.br e ou pelo WhatsApp 99866-8734.

Câmara

O Legislativo, que vai exibir todos os vídeos produzidos e fornecidos pela Secretaria Municipal da Educação, destaca a importância da iniciativa.

De acordo com o presidente da Câmara, vereador Sadao Sakai (PL), “a TV Câmara de Mogi das Cruzes tem caráter público e não apenas institucional, por isso a cooperação entre Câmara Municipal e Prefeitura é importante para a prestação de serviços à população nesse período de pandemia, especialmente aos alunos da rede municipal de ensino com a exibição das aulas disponibilizadas pela Secretaria de Educação”.

Mãe ajuda filha nas tarefas

A rotina da estudante Jamile Senziali Santos Oliveira, 9 anos, aluna do 4º ano da escola municipal Professora Maria Aparecida de Faria, na Vila Jundiaí, mudou completamente nos últimos dois meses. De pijama, ela assiste às videoaulas disponibilizadas pela Secretaria Municipal de Educação e cumpre as atividades propostas com o auxílio da mãe, Mônica Senziali Santos Oliveira, 42, professora da rede municipal há 12 anos.

A aluna conta que apesar da falta que sente da professora Telma, com quem conversa pelo Facebook, da diretora Mônica Violante e dos colegas de sala, está conseguindo estudar em casa. “Ficar de pijama e nem precisa trocar de roupa para ir à escola é bom, mas não vejo a hora de voltar para poder ver todo mundo. Minha mãe me ajuda a fazer os exercícios e ver os vídeos, mas sempre gostei de estudar e sou um boa aluna”, garante Jamile, que está matriculada no período vespertino na escola, mas em casa estuda pela manhã para poder brincar à tarde.

A mãe da garota diz que a filha não tem enfrentado dificuldades para cumprir as obrigações escolares. “Criamos uma rotina diária e todos os dias, acompanhando as atividades da secretaria, realizamos um pouco de tarefas . Ela senta no computador com o livro que foi entregue e faz as atividades de Língua Portuguesa e Matemática. Consegue assistir aos vídeos sozinha, porque já estava acostumada com o YouTube e em casa o sinal de internet é bom”, relata a professora, que mora no Jardim Cambuci, em Braz Cubas.

Mônica destaca a importância dos pais acompanharem os filhos neste momento diferente de aprendizagem. “É preciso ajudar, seja para auxiliar a criança a parar o vídeo, voltar a assisti-lo ou mesmo na hora de fazer as atividades propostas em cada disciplina, porque é tudo muito novo”, aconselha a professora.

Estado tem novo planejamento

A partir de amanhã, a Secretaria de Estado da Educação realiza o planejamento das aulas mediadas por tecnologia do segundo bimestre com os professores da rede estadual. Será um período de formação, discussão e alinhamento de estratégias que ocorrerá diariamente, no aplicativo Centro de Mídias SP, até a próxima sexta-feira.

A participação dos membros do quadro do magistério (QM) e dos gerentes de organização escolar (GOEs) é obrigatória em todos os dias. Na quarta-feira, haverá uma programação específica para os agentes de organização escolar (AOEs).

Durante esta semana, o Centro de Mídias SP (CMSP), por meio dos aplicativos e da programação na TV Educação e TV Univesp, vai reprisar os conteúdos destinados aos alunos da rede estadual, e não haverá aulas ao vivo.

As atividades on-line do segundo bimestre inéditas serão retomadas no próximo dia 8 de junho. “Será uma parada para diminuir dúvidas e fazermos um planejamento das aulas com objetivo de organizar de forma mais clara para avançar no ano letivo. É preciso ter foco naquilo que é mais importante, o engajamento do aluno”, diz o secretário de Estado da Educação, Rossieli Soares.

A programação desta semana ocorrerá das 9h30 às 16h30, por meio do canal Formação de Professores, no Centro de Mídias SP. Cada professor deve participar conforme sua carga horária. Na abertura, amanhã, o secretário Rossieli Soares fará uma apresentação e, em seguida, haverá uma palestra do historiador e professor Leandro Karnal.

Os conteúdos serão reprisados para os professores que tiverem acúmulo com outras redes e não puderem acompanhar as atividades ao vivo.

O encontro vai tratar de temas como rotina de papéis na aprendizagem não-presencial; uso pedagógico e técnico das funcionalidades do CMSP e outras plataformas licenciadas; produção das aulas dos CMSP; fechamento do primeiro bimestre e planejamento do segundo; e estratégias para engajamento dos estudantes.

Haverá também tempo para o planejamento da unidade escolar e individual. As propostas que forem apresentadas ao longo do encontro serão discutidas pela rede, que trará suas contribuições.


Deixe seu comentário