EDITORIAL

Um encontro produtivo

O encontro desta semana entre o governador João Doria, seu vice Rodrigo Garcia e uma penca de secretários de Estado com jornais e rádios do Interior do Estado há que ser registrada como um marco democrático.

Enquanto muitas das instituições estatais vivem às turras com a imprensa – vide Presidência da República e Supremo Tribunal Federal –, o governador paulista abre as portas do Palácio dos Bandeirantes e uma janela de duas horas em sua agenda para ouvir, responder, dialogar enfim, com jornalistas de alguns dos principais veículos do Interior.

Para nos restringirmos a jornais, estavam lá, além deste O Diário, a Tribuna de Santos, O Vale (São José dos Campos), Correio Popular (Campinas) e Diário do Grande ABC (Santo André).

Foi a segunda vez, em seu mandato iniciado há cinco meses, que João Doria recebeu jornalistas do Interior. Tem seguido um método eficaz: no lugar de convocar a todos, faz uma seleção, levando em conta a importância do veículo, seu histórico, área de abrangência. E limita o número de participantes a cerca de 20.

Com isso, torna o encontro um diálogo ao invés de um palanque. E o finaliza convidando, a todos, para o almoço no bandejão do Palácio dos Bandeirantes. É um espaço no quintal da sede do governo, administrado por empresa terceirizada e que serve refeição trivial: alguma massa, uma ou outra carne, feijão, arroz, salada e, de sobremesa, gelatina. Não há bebida alcoólica, tampouco refrigerante de marca. Quando muito, refrescos de frutas artificiais servidos em máquinas comuns.

O próprio governador senta-se a uma mesa com um ou outro assessor, deixando os secretários disponíveis para complementar informações dadas durante a entrevista coletiva.

De nossa parte, descobrimos, nesse encontro, que o heliponto do Hospital Luzia de Pinho Melo não estava nos planos da Secretaria da Saúde. “Mas agora está em nosso radar”, garantiu-nos o secretário adjunto de Saúde. Como o secretário dos Transportes, que conosco firmou o compromisso de incluir obras da Estrada da Volta Fria no primeiro lote de projetos a ser contratado, nos próximos meses, pelo governo do Estado.