ARTES

Um passeio digital pela Pinacoteca de Mogi

NA WEB Acervo eletrônico contém todas as pinturas, esculturas e cerâmicas da mostra fixa que preenche as salas da Pinacoteca

Como mostrado na última semana pela reportagem de O Diário, existe uma opção digital e gratuita para, sem tem que sair de casa, consultar o acervo da Pinacoteca de Mogi das Cruzes e de quatro museus da cidade. A opção faz parte das ações online da Secretaria de Cultura e Turismo e torna-se boa fonte de entretenimento e pesquisa durante o isolamento social recomendado durante a pandemia do novo coronavírus. Mais do que isso, por conter todas as obras expostas no casarão da Rua Coronel Souza Franco é também uma excelente maneira de consumir arte durante os tempos atuais.

O acesso é o mesmo para qualquer um dos cinco locais incluídos no site (Centro de Cultura e Memória Expedicionários Mogianos, Museu Histórico Professora Guiomar Pinheiro Franco, Memorial Taro Konno, Museu Histórico e Pedagógico Visconde de Mauá e Pinacoteca Municipal). Basta digitar o link cultura.pmmc.com.br/museuvirtual em qualquer navegador de internet.

A página inicial exibe todas essas opções, e ao clicar sobre cada uma delas é exibido um resumo sobre o local, com uma breve descrição, algumas fotos e informações de serviço, como horário de funcionamento, telefone e endereço. Mas o tour virtual começa mesmo quando o internauta aperta o botão “visitar acervo” e passa a visualizar todos os itens dos espaços.

Depois de ter dedicado uma reportagem para falar sobre os quatro museus presentes no projeto, agora a reportagem deste jornal mostra o que o leitor pode encontrar ao navegar pela mostra artística da Pinacoteca.

Navegando pela Pinacoteca

O acervo da Pinacoteca de Mogi das Cruzes é composto por 161 obras expostas, sendo 50 pertencentes à administração pública. Ao todo, elas contemplam os trabalhos de 128 artistas diferentes e ainda há outros 80 itens guardados como “Reserva Técnica”. Em sua maioria composta por quadros e telas, a mostra é fixa e se destaca por diferentes características e técnicas além de contar também com a presença de esculturas, cerâmicas e monumentos.

É claro que o impacto digital da exibição artística não será o mesmo de quem já teve a oportunidade de visitar o prédio pessoalmente. Mas pode ser interessante identificar os “temas” de cada uma das salas, já que no espaço físico os itens são divididos em cômodos que homenageiam artistas que contribuíram para a cultura local, e o nome dos ambientes consta na descrição de cada uma das imagens disponíveis na web.

A primeira foto do site Museu Virtual é a do quadro ‘Vaso com Flores’, em óleo sobre tela, pintado por Maria José Martins de Camargo em 1976. Ao lado dessas informações, consta o seguinte dado: “Sala Maria José Camargo”, que quer dizer que a versão original do item está exposto no local que homenageia a professora e artista plástica mogiana.

Internautas atentos poderão perceber que são flores os motivos da maioria das telas que compõem este ponto da Pinacoteca. E a mesma observação pode ser feita nos demais ambientes, como no espaço que faz tributo a Antonio Ferri, dono de ideias que originaram a Amba (Associação Mogiana de Belas Artes), onde predominam quadros de paisagens, de autores variados, que retratam cenas e locais do cotidiano do município.

Para não estragar a surpresa de todos os “temas”, aqui segue apenas o nome das demais salas: Alcino Meirelles, pintor paulista de Sertãozinho; Heraldo Morales, que retratava de forma simples os acontecimentos de Mogi; Van de Wiel, escultor holandês; Sussumu Aramaki, pintor japonês; Antônio Wuo, artista plástico e professor mogiano; Idalício da Silva, pintor mogiano; Darcy Cruz, pintor nascido em Avaí; Íris Piazza, pintora e professora da cidade.

Vale destacar que até mesmo as peças maiores, como a escultura ‘Cadeira’, feita com frascos de spray pelo artista Jaum, conhecido pelo traço da personagem LalalaDog, fazem parte do acervo digital. Só não estão incluídas as obras que compõem a 7ª Mostra Olha Feminino, repertório itinerante em comemoração ao Dia Internacional da Mulher que estaria em cartaz durante todo o mês de março, porém cuja visitação foi prejudicada pela quarentena.

Curiosidade sobre a sede

Ainda que não seja possível andar de maneira virtual pelo prédio que abriga a Pinacoteca de Mogi das Cruzes, vale a pena detalhá-lo. Localizado ao número 993 da Rua Coronel Souza Franco, o casarão que desde 2016 guarda quadros e esculturas é antigo, construído na década de 1860.

Reservou a Câmara Municipal até 1929, e depois foi a sede da Escola Normal, o Ginásio do Estado (E.E. Dr. Washington Luis). Mais tarde, deu espaço à ETE (atual Etec) Presidente Vargas. Em 1980, passou a integrar o conjunto da Diretoria Regional de Ensino, e em 2005 voltou a abrigar equipamentos municipais. Até 2015 estavam por lá o Arquivo Histórico Municipal e a Biblioteca Municipal Benedito Sérvulo de Sant’Anna, quando finalmente toda a extensão do prédio passou a ser o lar das mais de 200 peças artísticas que formam a Pinacoteca de Mogi das Cruzes.


Deixe seu comentário