INFORMAÇÃO

Uma eleição proporcional que não terá coligações

Vereadores mudam de partido tentando se ajustar à nova realidade

Os efeitos do fim das coligações partidárias nas eleições proporcionais (para vereador) deste ano já puderam ser sentidos na cidade, a partir das mudanças ocorridas na fase final da janela que possibilitou as transferências interpartidárias. Sem a possibilidade de se unir a uma ou mais agremiações, cada partido terá de definir sua própria chapa e buscar, unicamente com os votos de seus integrantes, eleger o maior número de candidatos possível. Cientes de que teriam de enfrentar tal situação, alguns virtuais concorrentes à reeleição da Câmara trataram de se acomodar da melhor forma. Fernanda Moreno, que se elegeu pelo PV, pela primeira vez, com a ajuda decisiva da votação de Caio Cunha, o mais sufragado no pleito passado (que também foi para o PODE, para ser candidato a prefeito), tratou de se mudar para o MDB, onde pode se tornar uma ameaça para Diegão Martins, já que Mauro Araújo é cotado para ser o mais votado da legenda. Já Carlos Evaristo deixou o PSD e foi para o PSB, fazer companhia para Chico Bezerra. Se o partido não eleger os dois, a situação tende a se complicar para Evaristo, embora ainda haja dúvidas se Bezerra irá mesmo para a campanha em razão de suas condições de saúde, ou se poderá lançar um de seus filhos em seu lugar. Quem também pode ter feito uma troca necessária, porém perigosa ao extremo, foi o vereador Jean Lopes. Acostumado a se eleger coligando seu PC do B com o PSB de Chico Bezerra, ele mudou do comunismo para o liberalismo, filiando-se ao PL de Valdemar Costa Neto, onde terá de enfrentar gente do calibre eleitoral de Clodoaldo de Moraes, Péricles Bauab, Francimário “Farofa” e Sadao Sakai (se este não vier a ser vice de algum candidato a prefeito). Sem contar um grupo fortíssimo de mulheres, como Alessandra Shimomoto e Jeruza Lisboa Reis, arregimentadas para garantir o crescimento da bancada. Por fim, duas trocas que mantiveram os partidos equilibrados. Claudio Miyake trocou o PSDB de Marcus Melo pelo PSD de Marco Bertaiolli, onde já estão Antonio Lino, Edson Santos e Otto Rezende. Enquanto Protássio Nogueira fez o inverso, saindo do PSD para o PSDB, onde já estão Pedro Komura e Mauro Margarida. Pode ter feito bom negócio, já que poderá tentar ocupar a vaga de Cuco Pereira, que promete deixar a política. Enfim, cada qual ao seu modo, buscando se acomodar da melhor forma para encarar o pleito deste final de ano, que não se sabe ainda quando, na verdade, irá acontecer.

Cuidados

A rede Spani Atacadista adotou o uso de um tapete denominado pedilúvio na entrada de suas unidades, como ação preventiva contra a propagação da coronavírus. É uma barreira de contenção de sujeira que funciona como proteção contra a contaminação microbiológica, pois possui uma solução (Peróxido 3M) que limpa e desinfeta as solas dos calçados, impedindo que o vírus seja levado para dentro dos ambientes. O cliente é orientado a pisar no tapete com os dois pés, por cinco segundos; em seguida, seca a sola do calçado num outro tapete, à frente, para evitar acidentes.

Trabalho

Entre as denúncias trabalhistas relativas à pandemia de Covid-19 recebidas pelo Ministério Público do Trabalho, perto de 11% reportaram assédio moral e abuso de superiores hierárquicos. A não dispensa para o trabalho remoto, mesmo havendo possibilidade, e a pressão para continuar trabalhando sem equipamentos de proteção individual e coletivos estão entre as queixas mais comuns. O levantamento foi feito entre março e maio últimos, período em que o MPT recebeu 1.704 denúncias.

Dr. Mário

O ativista político Mário Berti Filho apresentou representação junto ao Ministério Público de São Paulo contra o governador João Doria (PSDB) pedindo investigação para apurar suposto crime de improbidade. Motivo da solicitação que também envolve o deputado federal Marco Bertaiolli (PSD): Doria publicou em redes sociais agradecimentos enaltecendo a empresa JSL por haver colaborado em ações contra a Covid-19. Em reportagem do UOL sobre o assunto, o jornalista mogiano é citado como advogado.

Ajuda

O presidente da Softys (Melhoramentos), Luiz Delfim, fará, na próxima semana, a doação de 90 mil máscaras cirúrgicas que serão destinadas ao pessoal da saúde no combate à Covid-19, em Mogi das Cruzes. O presidente já esteve com o governador João Doria para entregar 525 mil máscaras produzidas pela própria empresa, que deverão ser encaminadas aos profissionais de saúde e segurança pública de todo o Estado. Luiz Delfim foi um dos participantes de recente encontro virtual promovido pelo prefeito Marcus Melo, no final da semana passada, para tratar do futuro da economia na cidade.

Frase

Câncer é algo que não desejo para ninguém, mas desejo para todos a profundidade que você ganha ao se deparar com o limite da vida. Não queria ter ido embora sem essa experiência.

Gilberto Dimenstein, jornalista, que faleceu ontem, aos 63 anos, vítima do câncer no pâncreas, que atingiu fígado e outros órgãos


Deixe seu comentário