INFORMAÇÃO

Uma nova escola no cenário do massacre

Empresas deverão bancar os custos da obra na Raul Brasil

Esquecer a tragédia daquele dia 13 de março será impossível. Mas o local onde dois jovens armados provocaram um verdadeiro massacre, matando sete alunos e funcionários e deixando outros 11 feridos deverá passar por uma mudança radical para apagar de vez os sinais da manhã de terror que ainda persistem no interior do pátio e salas de aulas da Escola Raul Brasil, uma das mais tradicionais de Suzano. Uma ação conjunta envolvendo o Governo do Estado, Prefeitura e um grupo de empresários do Alto Tietê promete reconstruir aquele estabelecimento de ensino. A proposta, já acertada entre o governador João Doria (PSDB), secretários de Estado e o prefeito Rodrigo Ashiuchi (PL), prevê uma profunda reforma na escola, de maneira a não deixar qualquer vestígio do triste episódio que marcou definitivamente a vida da cidade e região. Juntos, os políticos iniciaram uma mobilização para que a obra seja inteiramente bancada pela iniciativa privada. Os primeiros contatos surtiram bons resultados. Integrantes da família Feffer, controladora da Suzano Papel e Celulose, assim como o empresário mogiano Fumio Horii concordaram em participar da iniciativa, se dispondo a colaborar financeiramente para que a obra seja levada adiante. Segundo consta, outras empresas ligadas a Suzano, como MRV Engenharia, Nadir Figueiredo e International Paper do Brasil, também aderiram à proposta. As reformas devem começar ainda neste mês de setembro, devendo ser concluída em janeiro do próximo ano. Os valores a serem investidos ainda não foram divulgados. Entre as mudanças previstas estão a ampliação da instituição de ensino e a mudança da entrada da rua Otávio Miguel da Silva para a Rua José Garcia de Souza. Também serão criados novos ambientes, com a proposta de mudar por completo o espaço interno da escola visando minimizar as memórias do massacre.

Novo – 1

Mogi das Cruzes está entre as cidades onde o Partido Novo abriu processo seletivo para escolha de candidatos às próximas eleições. Os interessados deverão passar por três etapas: inscrição no site do partido, com preenchimento de dados pessoais a serem avaliados pela agremiação.

Novo – 2

Caso seja aprovado, o virtual candidato terá de se submeter a uma entrevista por uma banca de avaliação, após se filiar ao partido e pagar uma taxa de inscrição de R$ 2 mil; e, por fim, se aprovado nas fases anteriores, o interessado passará por uma entrevista final, que será feita por integrantes dos comandos nacional e estadual do partido. Depois de ultrapassar tudo isso, seu nome será então submetido à convenção municipal do partido.

Antigo

Sabem aquele antigo e ilegal método adotado por políticos de tomar para si parte dos salários de seus assessores? Pois a questão que atormenta até mesmo um dos filhos do atual presidente, também vem sendo investigada pela Polícia do Alto Tietê. Na região, já teria vereador com as barbas de molho, torcendo para que as apurações não cheguem aos noticiários. Vale esperar para conferir o fundamento de tais rumores.

Recordes

Aos 11 anos, Kauê de Queiroz Benevides Menezes, o MC Caverinha, que se apresentou ao lado de Anitta, no aniversário de Mogi, agora coleciona recordes. Seu perfil no Instagram, que em abril contava com 450 mil seguidores, agora tem 1,4 milhão. Enquanto isso, o seu hit “Só não pisa no meu boot”, que à época registrava 3 milhões de views, já atingiu 20 milhões.

Frase

O corrupto é pior que o ladrão, porque o ladrão rouba o indivíduo, enquanto que o agente corrupto saqueia uma cidade inteira ou o Estado.

Sérgio Moro, ministro da Segurança Pública e Justiça do atual governo Bolsonaro