EDITORIAL

Uma novela chamada Sesc

Pode ser decisivo, para o sonho da cidade em ter uma unidade cultural, esportiva e social do Sesc, a audiência pública que a Secretaria de Cultura da Prefeitura convocou para daqui a 10 dias, na quarta-feira, 3 de julho.

No edital, a Prefeitura informa que atende às atribuições das leis orgânicas de Mogi das Cruzes (7.018/2016), federal (8.666/93) e jurisprudência do Supremo Tribunal Federal. Elas garantem, ao Município, autonomia para dispor de seu patrimônio. Por isso, a convocação de uma nova audiência pública para obter a aprovação popular do projeto, que terá de ser referendado pela Câmara Municipal.

A estratégia agora é escapar da inconstitucionalidade declarada pelo Tribunal de Justiça de São Paulo, em ação proposta pelo Ministério Público, que contestou o ato de concessão, por 99 anos, do terreno atualmente ocupado pelo Centro Esportivo do Socorro.

Faz 15 anos que Mogi das Cruzes luta para ter uma unidade do Serviço Social do Comércio, hoje existentes em cidades como Bauru, Araraquara e Birigui, apenas para citar algumas. Os primeiros alertas foram dados por Airton Nogueira, ao tempo em que presidia o Sindicato do Comércio Varejista de Mogi. Em 2006, o então prefeito Junji Abe acolheu o pleito e foi ter ao Sesc para estabelecer negociações. Mas as conversas não prosperam, em grande parte pela falta de sequência de nossa parte.

Somos, de há muito, município sem identidade definida. Embora façamos parte da Região Metropolitana de São Paulo, para a grande maioria continuamos identificados como “interior”. O que não é demérito algum, exceção feita quando se trata de postular benefícios. Um exemplo claro disso é a postura do governo do Estado e da sua Companhia de Transportes Metropolitanos: todas as estações da Linha Coral da CPTM foram refeitas? Quase todas: as obras pararam no limite do nosso município, que segue sem planos de ver o sistema modernizado.

Há de tudo no imbróglio em torno do Sesc, para ter atrasado tanto o estabelecimento formal de conversas com a instituição. Em bom tempo, o prefeito Marcus Melo tomou a frente da empreitada