Unidos da Vila Industrial vai desfilar no próprio bairro

Unidos da Vila Industrial foi a campeã do carnaval 2016. (Foto: Arquivo)
Unidos da Vila Industrial foi a campeã do carnaval 2016. (Foto: Arquivo)

ELIANE JOSÉ
Representantes das 11 alas preparadas para o Carnaval 2017 vão desfilar pelas ruas da Vila Industrial na noite de domingo. Os participantes que doarem um quilo de alimento receberão uma camiseta para a participação na apresentação. Essa será uma forma de manter a união da comunidade da Unidos da Vila Industrial, que se preparava para disputar o bicampeonato quando foi surpreendida com a decisão do prefeito Marcus Melo (PSDB) de suspender a apresentação oficial, numa medida de contenção de despesas.

A Vila Industrial desfila pelo Bairro nascido com a construção da Mineração Geral do Brasil (MGB) e a Unidos do Sales realiza amanhã uma apresentação em uma escola infantil da Vila Natal. Nas demais escolas, integrantes estão participando de desfiles na Capital. Parte da bateria da Estação Primeira de Braz Cubas, por exemplo, vai desfilar pela Leandro de Itaquera.

Na fala dos presidentes, há uma mágoa contida, aliviada quando começam a dar detalhes dos encontros que têm sido realizados para a criação da Liga da Escolas de Samba de Mogi das Cruzes. Trata-se de um projeto ainda embrionário, mas que eles acreditam que poderão garantir o Carnaval de Rua de 2018.

Emerson Rodrigues, presidente da Vila Industrial, acredita que os desfiles serão retomados apenas com a manutenção de uma Liga, que venha a arcar com as despesas de infraestrutura. “Nós não podemos viver assim. Uma hora, está tudo certo, com Rei Momo escolhido, reuniões para a prestação de contas. Na outra, de maneira desrespeitosa, recebemos a notícia de que não vai ter mais o desfile”, alfineta.

Ele teme a desestabilização das escolas mais novas e menores, com o recesso de um ano. Algo já sentido pela Águia de Prata. Há algumas semanas, o ex-presidente Mauro Vidal deixou a diretoria da agremiação, repassada a Douglas Antonio da Silva Pereira da Silva, de 28 anos. “Estamos assumindo do zero e vamos reformar a quadra, por isso não preparamos nada para esses dias”, conta o novo dirigente, admitindo que 90% dos antigos integrantes deixaram a quadra. “O ex-presidente está nos apoiando, mas estamos começando do zero”, detalhou.

Douglas costumava levar um bloco com 300 pessoas para desfilar em São Luiz do Paraitinga, onde a festa popular também foi suspensa. “Esse ano será para esquecer”, lamentou.

Na Estação Primeira de Braz Cubas, o presidente José Antonio Ribeiro da Silva não esconde a contrariedade. “Já tínhamos fantasias, estou com uma dívida de R$ 16 mil, cancelei eventos como a apresentação da Rosas de Ouro e do Royce do Cavaco”, disse. Passistas da agremiação estão participando de desfiles de outras escolas.

Ele teme as consequências da decisão. “Não sei o que será do futuro se as escolas não se unirem agora”, indica, embora se declare esperançoso quanto à criação da futura Liga em discussão.

A Unidos do Sales se apresenta em uma escola infantil da Vila Natal, a partir das 17 horas de amanhã. Amanda Aparecida de Souza, a presidente da entidade, admite que houve falta de organização das agremiações no passado, e preocupa-se com uma dívida contraída para a compra de tecidos e outros materiais, estimada em R$ 15 mil. “Estamos magoados porque nos chamaram em outubro e estava tudo certo, exigiram documentos, e nós apresentamos. O que aconteceu (a suspensão do desfile) está sendo muito difícil para todos, até para quem acabava trabalhando, como as costureiras, gente que ficou desamparada, como nós”.

O desfile da Vila sairá da Rua Rômulo de Brito e passará pela Rua João Cardoso dos Santos, terminando na quadra da vermelho e branco.

Guarda acompanhará grupos com pedido oficial
Apenas grupos que comunicaram a Prefeitura sobre a realização de cordões ou desfiles com 30 dias de antecedência terão a garantia de atenção do governo municipal em eventuais interdições de trânsito e apoio da Guarda Municipal durante o percurso e dispersão do público. A informação é da Coordenadoria de Comunicação.

O Bloco Cai Nessa fez uma solicitação para desfilar na Avenida Cívica, no domingo, mas ainda não apresentou documentos exigidos pela Secretaria de Segurança. Já a Banda Vai Quem Quer, que tradicionalmente abre o festejo na noite de sexta-feira obteve autorização para a atividade.

De acordo com a Prefeitura, quem não oficializou o pedido será responsável “por qualquer incidente que ocorrer durante o desfile”. Além disso, informa que “eventos não podem bloquear totalmente vias públicas sem aviso prévio, bem como impedir o acesso a serviços essenciais, como hospitais e outros equipamentos de saúde”.

Por fim, a Administração informa que acompanhará e fiscalizará as atividades realizadas na Cidade durante o período de Carnaval com a Guarda Municipal e fiscais da Secretaria de Segurança, sem no entanto que esse trabalho tenha o caráter repressivo.


Deixe seu comentário