TRIBUTO

Vencimento do IPTU de Mogi começa nesta sexta-feira

O vencimento da primeira parcela ou cota única será em fevereiro e o tributo poderá ser quitado em 10 vezes. (Foto: Arquivo)

Em Mogi das Cruzes, o pagamento do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) poderá ser feito em até 10 parcelas (de fevereiro a novembro) e os vencimentos serão todos os dias 8, 9 ou 10 de cada mês. Assim, o acerto deverá começar a ser feito nesta sexta-feira. Entretanto, muitos mogianos ainda não receberam o carnê, já que, segundo a Prefeitura Municipal, a postagem foi concluída somente na última sexta-feira. É possível emitir a segunda via pelo site da Administração Municipal (www.mogidascruzes.sp.gov.br).

Portanto, a consulta online é aconselhável, já que mesmo que nem todos os proprietários tenham recebido o carnê, a Prefeitura mantém a programação dos pagamentos. As datas de vencimento foram emitidas de acordo com o CEP do imóvel. A organização foi com o intuito de não sobrecarregar as agências bancárias e lotéricas em um único dia.

É possível acessa o serviço de três maneiras diferentes. Na página inicial, na seção Acesso Rápido, basta clicar em IPTU/ITBI e depois em 2ª via de parcelas IPTU/CIP. Outro modo é acessando a página da Secretaria Municipal de Finanças (www.mogidascruzes.sp.gov.br/financas), a segunda opção da relação de serviços é IPTU: 2ª via de conta. É possível ainda entrar em um link no lado esquerda da página da Secretaria de Finanças. Nele há informações sobre o tributo e acesso ao serviço de 2ª via de conta.

Este mês, para alguns os pagamentos cairão no sábado e no domingo. Quando isso ocorrer, a data de vencimento automaticamente é prorrogada para o primeiro dia útil seguinte. O mesmo acontece caso ocorra em um feriado. O pagamento poderá ser feito em qualquer agência bancária do País dos seguintes bancos autorizados: Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil, Santander, Itaú, Mercantil do Brasil e Bradesco, além das casas lotéricas.

A estimativa de arrecadação do IPTU em 2019 é de R$ 165 milhões, já consideradas as isenções, reduções e imunidades, previstas na legislação. Para 2019, o imposto tem correção monetária de 4,56%, em relação ao valor do ano passado.