INFORMAÇÃO

Vereadora Fernanda Moreno conta como escapou de assalto

ENCONTRO Papa Francisco oferece solidéu ao visitante de Mogi, Johnny Rodrigues, que lhe deu dois livros sobre a Festa do Divino. (Foto: L’Osservatore Romano – Divulgação)

Vereadora estava parada com seu carro em um  semáforo da Av. Brasil

A vereadora Fernanda Moreno (PV) passou por maus momentos durante o Carnaval, num dos semáforos da cidade. Por volta de 19h30 de segunda, ela se encontrava na Avenida Brasil, proximidades da igreja de Santo Antonio, quando o sinal existente diante de um ponto de ônibus fechou. Mal ela havia acabado de frear o carro, viu, do outro lado da via, um homem que se aproximava. “Numa fração de segundo, enquanto a minha mente dizia ‘não julga’, meu sexto sentido me dava razão ao ver a mão dele tentando abrir a porta do lado do passageiro”, contou ela, numa rede social. Fernanda arrancou com o carro e, por sorte, o cruzamento não tinha outros veículos. Ela pôde, então, se afastar em segurança. “Minha perna tremia”, disse a vereadora, ao imaginar o que poderia ter ocorrido se o carro “morresse” na hora da saída, deixando as portas destravadas. “Já era… o cara entrava, roubava minha bolsa, meu celular ou até coisa pior poderia acontecer”, disse. Fernanda ainda lembrou tratar-se de um local aparentemente tranquilo, além de estar bem próximo de uma base da Polícia Militar, “mas que está sempre vazia, por falta de efetivo”. Fernanda conta que decidiu tornar público o seu drama pessoal para alertar outras pessoas sobre os perigos presentes nas ruas da cidade. Experiência sobre perigos como o que enfrentou no Carnaval não lhe falta. A vereadora conta que já foi assaltada cinco vezes, em diferentes situações. “Posso dizer que é uma sensação de medo e impotência horrível, que não desejo a ninguém; minutos que parecem uma eternidade, te deixando totalmente vulnerável com a vida nas mãos de outras pessoas.” E, por isso mesmo, ela alerta: “Fiquem atentos. Não existe lugar mais ou menos perigoso. O que existem são situações que geram oportunidades a pessoas mal intencionadas”, garantiu.

Com o papa

Os livros “A Fé” e “O Trabalho”, dos mogianos Robson Regato e Laílson Santos, que retratam detalhes da Festa do Divino de Mogi em fotografias, foi entregue ao papa Francisco, durante a audiência geral concedida pelo religioso, na última quarta-feira, em Roma. O presente partiu do mogiano Johnny Peña Rodriguez. Em retribuição, o papa lhe ofertou um solidéu, pequeno barrete que os religiosos costumam utilizar para cobrir parte da cabeça.

Mulheres

A Câmara de Arujá irá realizar, entre 3 e 5 de março, a 1ª Semana de Conscientização Sobre os Direitos das Mulheres. O evento inclui palestras sobre feminicídio (advogada Maria Margarida Mesquita), no dia 3; importância da perícia na identificação da violência sexual (advogada Mariana da Silva Pereira) e assédio sexual e moral: a violência no trabalho (advogada Amanda Egert Campos), ambas no dia 5. No dia 4, haverá sessão legislativa comemorando o Dia Internacional da Mulher.

Mistério

O delegado Francisco Del Poente, da Delegacia do Meio Ambiente, instaurou procedimento administrativo para investigar casos de mortes e de maus-tratos envolvendo seis gansos do condomínio Real Park, de Mogi. A morte das aves teria sido provocada por motorista que trafegava em alta velocidade numa das madrugadas de Carnaval. O crime ambiental movimenta as redes sociais de moradores do local.

Acordo

O prefeito Marcus Melo (PSDB) tem encontro, hoje à noite, com moradores do Aruã. Vão bater o martelo numa parceria para o recapeamento dos 10 mil m² da avenida Presidente Dutra, que liga um lado a outro do bairro. O investimento de R$ 662 mil deverá ser dividido com a comunidade. Melo, fatalmente, irá ouvir cobranças acerca do pedágio da Mogi-Dutra e que afeta diretamente os moradores daquela região da cidade, os mais revoltados com a medida do governo estadual.

Frase

Se o comunismo acabar, quem é que vai levar a culpa?

Jô Soares, escritor, entrevistador e humorista brasileiro


Deixe seu comentário