Vigilância monitora o uso de UTI

Técnicos vistoriaram o Ipiranga após denúncias de infecção / Foto: Arquivo
Técnicos vistoriaram o Ipiranga após denúncias de infecção / Foto: Arquivo

A Secretaria de Estado da Saúde informa que a Diretoria Técnica de Vigilância Sanitária acompanha de perto o funcionamento da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Ipiranga e avisa que os técnicos do órgão estarão fiscalizando a ocupação dos oito leitos interditados no início desta semana. Outros 12 estão liberados. Os pacientes que estão em atendimento no local poderão permanecer até receber alta e depois não serão permitidas novas internações na ala, que ficará com restrições enquanto não forem tomadas providências por parte da unidade a fim de regularizar a situação. O hospital reafirma seu interesse em promover as adequações necessárias o mais rápido possível.

As informações sobre a Vigilância Sanitária foram repassadas na tarde de ontem pela Assessoria de Imprensa da Secretaria de Estado da Saúde, que também não definiu os valores e prazos das multas que serão aplicadas ao Hospital por não ter cumprido as determinações e esclarece que ainda vai levar alguns dias para a conclusão desses processos. Foram realizadas duas autuações e o Hospital tem 10 dias para interpor defesa.

As irregularidades no Ipiranga foram constatadas nesta semana, após vistoria realizada na última segunda-feira e terça-feira, quando os técnicos da Vigilância verificaram que a unidade possuía 20 leitos de UTI, mas tinha autorização para manter apenas 12, localizados em outro andar, que continuarão funcionando normalmente. A interdição não tem prazo para readequação.

A assessoria do Ipiranga se manifestou novamente na tarde de ontem para reafirmar que a direção da unidade já está adotando as providências necessárias para atender às exigências do órgão. O hospital esclarece que foi, inclusive, definido um cronograma de ajustes e que a prioridade é finalizar, no menor prazo possível, todas as etapas de mudanças e adequações exigidas pela Vigilância, “sem nenhum incômodo para os pacientes atualmente internados na unidade de tratamento intensivo em questão”. Mas, alega que ainda não é possível precisar a data de reabertura porque o processo só poderá ser iniciado depois que todos os internos estiverem liberados.

Já no Centro de Processamento de Produtos e Esterilização, segundo a assessoria do hospital, os ajustes serão providenciados no prazo de duas semanas. “O Ipiranga reafirma seu compromisso com o aperfeiçoamento contínuo da qualidade de seus serviços, dos processos e da infraestrutura que disponibiliza aos seus pacientes e respectivos familiares”, destaca a nota encaminhada à imprensa. (Silvia Chimello)


Deixe seu comentário