Vítima de abuso ‘busca’ ajuda, diz especialista

As crianças que sofrem ou já sofreram abuso sexual emitem alguns sinais, que merecem atenção dos pais e familiares. A observação foi feita pela assistente social Marley Martins, durante a abertura da 5ª Semana do Serviço Social, da Universidade Braz Cubas, que termina hoje. Segundo ela, as mudanças de comportamento são as mais notáveis. “Ela vai ficar assustada. Aquela criança que brincava, vai parar. Falas sexualizadas também indicam que a criança pode estar sofrendo algum tipo de violência”, destacou. O Dia Nacional de Combate à Exploração Sexual de Crianças e Adolescente foi comemorado ontem.

Segundo Marley, integrante da Rede Criança de Combate à Violência, o grupo registrou no ano passado, 70 casos do tipo. Destes, a maior parte dos crimes foi cometida pelo pai. “Os dados estatísticos nos mostram que os abusos acontecem entre 0 a 6 anos e de 7 a 11 anos de idade. A criança é a que mais sofre violência”.

Durante o evento, Sandra Paulino, doutora em Serviço Social, que reforçou a importância e debater o assunto no Campus, especialmente para aqueles que vão se formar em Serviço Social. “Trazer essa discussão é tentar formar estudantes mais críticos e conhecedores das atribuições do Serviço Social e da importância de intervir e de fazer um trabalho sem julgamento, um trabalho que consiga promover a proteção da criança e do adolescente”.

Segundo ela, isso se faz indispensável por, ser comum, perceber discursos em relatórios de assistentes sociais apontando que as mães foram coniventes com a situação do abuso. “O papel do Serviço Social não é de julgar, mas de entender, historicamente, como se deu a construção dessa mulher e até a não proteção dessa mulher com relação à criança, porque se ela (mulher) não se sente fortalecida, ela não consegue estabelecer formas de proteção”, completou.

Hoje, as atividades continuam no Auditório VIP da UBC com a palestra “A Contribuição do Serviço Social nos Espaços de Trabalho Social com Movimentos de Moradia” e no Auditório I, com a palestra “A Experiência em Residência de Geriatria Multiprofissional”. Além de apresentações culturais, há vendas de livros da área paralelamente às palestras. Um dos parceiros é a Livraria Boigy, de Mogi das Cruzes.