Diário Logo

Notizia Logo

Bertioga está para tainha! Festival caiçara espera 30 mil pessoas até o final deste mês

Beneficente, a Festa da Tainha poderá quebrar um recorde neste ano com a presença de cerca de 30 mil pessoas na areia do Parque Tupiniquim, ao lado do Forte São João, ícone da história de Bertioga. Carro-chefe gastronômico entre os demais eventos culinários caiçaras do Litoral Norte, o peixe assado na brasa se tornou uma […]

1 de julho de 2023

O Diário

Beneficente, a Festa da Tainha poderá quebrar um recorde neste ano com a presença de cerca de 30 mil pessoas na areia do Parque Tupiniquim, ao lado do Forte São João, ícone da história de Bertioga. Carro-chefe gastronômico entre os demais eventos culinários caiçaras do Litoral Norte, o peixe assado na brasa se tornou uma tradição desde o ato inicial: o Lions Clube da cidade viu na possibilidade de promover os antigos pescadores na praia do Indaiá há 45 anos – no origem do que veio a se tornar tradição, a ideia era realizar um projeto social beneficente e auxiliar os trabalhadores locais que, à época, davam conta de oferecer o pescado para a cozinha ancorada por voluntários do clube de serviços.

Bertioga era infinitamente menor. A tainha pescada no Indaiá era preparada fechada, e não aberta e em grande quantidade como nos últimos tempos. 

A popularidade da Festa da Tainha só cresceu a partir de então e criou outras demandas como a escalada da matéria-prima – hoje, são necessários entre 7 mil a 8 mil quilos do peixe para servir as milhares de pessoas da Capital, Alto Tietê e da Baixada Santista que vão apreciar a delícia servida quentinha, com arroz, farofa e pão à vontade (batata é cobrada à parte) às sextas, sábados e domingos a partir deste final de semana até 31 de julho.

O prefeito Caio Matheus, do PL, garante que a Festa da Tainha é o maior evento da culinária típica caiçara do litoral paulista. Os números do público confirmam isso, assim como a resposta de quem fideliza, há muitos invernos, a iniciativa. 

Além de atrair o visitante pelo menu, a festividade tem outra senha a atrair o frequentador: o caráter social e assistencial.

“Muitas pessoas participam porque conhecem a ação social na educação e na saúde desenvolvida pelo Lions, um parceiro da Prefeitura”, comenta o prefeito.

O poder público arca com alguns dos custos fixos, como a estrutura em lona instalada ao lado de um dos maiores patrimônios históricos da cidade – o Forte São João, que acaba de ser revitalizado com pintura novinha. Além disso, o governo municipal também responde pela segurança, estrutura sanitária como os banheiros e, neste ano, cedeu uma área de estacionamento que fica a cerca de 200 metros do local do festejo (próximo ao mercado de peixes).

Férias

A Festa da Tainha tem peso na atração dos turistas que, em julho, ocupam a rede de hotéis e casas de veraneio de Bertioga.

Caio Matheus estima que o público flutuante, durante a temporada de férias do meio do ano poderá chegar a 120 mil pessoas – lembrando que a cidade tem cerca de 64 mil habitantes e acaba de confirmar crescimento recorde de 34,7%% no total da população, segundo a bateria recente de dados do Censo 2022, quando comparado o resultado do levantamento de 2010.

O calendário em torno da tainha – que ainda é pescada em Bertioga, mas, numa produção apenas artesanal, movimenta ainda o comércio. Segundo o prefeito, há o turista que visita a cidade apenas por um dia, para apreciar o prato e acaba permanecendo no final de semana, procurando  hospedagem e girando a roda econômica.

Com investimentos na zeladoria e manutenção da cidade, o prefeito que ainda não indica quem deverá apoiar para a sucessão municipal, em 2024, afirma que a cidade e a Riviera de São Lourenço têm impulsionado a geração de renda, emprego e impostos. “O turista encontra a cidade bem cuidada e retorna”, inclui, afirmando que o calendário anual de shows e festas (virão, nos próximos meses, a segunda edição do Retratos de Bertioga, e o Free Play, um encontro de gammers) potencializa o poderio turístico do município que possui patrimônios naturais e ambientais (praias, trilhas, Parque da Serra do Mar, entre outros) e histórico.

“A melhoria da qualidade de vida e do polo comercial, com opções em supermercados, lojas e outros, além da rede hoteleira e dos shows populares, explicam o sucesso que Bertioga tem feito e nós temos muito orgulho disso”, sinaliza ele.

Ponto de encontro de amigos

O Lions Clube de Bertioga espera bater o recorde de público alcançado em julho de 2022, quando cerca de 25 mil pessoas foram atendidas durante a Festa da Tainha. Para edição que começa neste primeiro final de semana de julho, mais cadeiras e mesas foram providenciadas.

O atendimento será feito por cerca de 60 colaboradores, além dos voluntários do clube de serviços, segundo conta Adriana Guido Bittencourt, que cuida da área de Propaganda e Marketing do Lions de Bertioga.

A festa, acrescenta ela, se torno um ponto de encontro de pessoas que mantêm a tradição de acompanhar o evento beneficente durante anos. Com o clima familiar, o evento atrai pessoas de cidades próximas, como o Alto Tietê, mas também da Capital e outras regiões que possuem ou costumam passar temporadas nas praias da cidade
A tainha será servida a partir da sexta-feira, das 19h30 às 22h30; aos sábados, das 12h às 16h, e aos domingos, das 12h às 16 h.

O preço do prato que serve, bem, até três pessoas, custa R$ 135. (E.J.)

 

 

Tradição beneficente

Os recursos obtidos com a venda da tainha na festa que movimentará os finais de semana de Bertioga são usados na manutenção de projetos como a Campanha da Visão, que realiza exames oftalmológicos em escolas e doa óculos, a estudantes da cidade.

Adriana Guido Bittencourt, do Lions Clube, afirma que os valores arrecadados não são divulgados.

O resultado banca serviços de saúde como a doação e empréstimo de cadeira de banho, de rodas e andador.Durante o atendimento a vítimas das enchentes no verão passado em cidades vizinhas, como São Sebastião, milhares de itens de limpeza e higiene foram entregues por Bertioga.

 

De onde vem a tainha

A compra da tainha é feita em fornecedores do litoral de SP e Santa Catarina por causa da quantidade e a necessidade de os peixes terem o mesmo peso – entre 1,2 k e 1,3 k.

No período agudo da pandemia, apenas em 2020 o Lions não realizou a Festa – em 2021, a data foi alterada para novembro; em 2022 voltou para o calendário de sempre: julho. (E.J.)

Veja Também