MENU
BUSCAR
SEM SOLUÇÃO

Morte de agente da PRF que invadiu motel e atirou na ex e em personal trainer é mistério

Corpo de Tony Emerson Moretto, de 48 anos, não tinha marca de tiros nem de lesões externas e, por isso, será realizado um exame toxicológico

Agência O GloboPublicado em 06/12/2021 às 17:04Atualizado há 2 meses
Divulgação
Divulgação

A morte do policial rodoviário federal Tony Emerson Moretto, de 48 anos, permanece um mistério para a Polícia Civil de Mato Grosso do Sul. O corpo do agente foi localizado no último dia 28 em uma área de mata próxima à rodovia MS-040. Moretto agrediu a ex-mulher e atirou no parceiro dela, um personal trainer, em um motel de Campo Grande. 

De acordo com o delegado Nilson Friedrich, da 4ª DP, em nota publicada no site da Polícia Civil, "após exaustivas diligências investigativas, exames periciais e oitivas de testemunhas, ficou constatado que no corpo do PRF não havia sinais de luta corporal".

Friedrich destacou ainda que o agente da PRF não foi atingido por disparo de arma de fogo. O exame de necrópsia não constatou lesões corporais externas em Moretto. Por esses motivos, o delegado requisitou a realização de um exame toxicológico em amostras coletadas no corpo.

Ainda de acordo com o informe da corporação, "no local onde ele foi encontrado não havia veículo, nem arma de fogo ou aparelho celular". A Polícia Civil afirmou que "as investigações terão continuidade para detalhar a mecânica dos fatos, os últimos passos da vítima, a motivação e eventual autoria delitiva".

Moretto é acusado de invadir um motel, no bairro Nova Lima, atirando. No local, a mulher, de 32 anos, foi agredida e o personal trainer, de 35, baleado na boca. Após ser atingido, o homem chegou a correr nu pela rua em busca de ajuda.

O casal estava em um dos quartos do motel quando o autor entrou no local e fez os disparos. Foram cinco tiros, sendo que pelo menos um atingiu a vítima na boca. A ocorrência foi registrada como tentativa de feminicídio na Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam).

De acordo com a superintendência da PRF, Moretto estava afastado de sua função desde outubro deste ano. Por causa disso, como procedimento padrão, a arma funcional dele foi recolhida. O motivo do afastamento do agente não foi informado.

ÚLTIMAS DE Brasil