MENU
BUSCAR
HABITAÇÃO

Famílias descartam saída voluntária de área ocupada na Vila São Francisco

Grupo que ocupa o imóvel desde março deste ano diz que está lutando juridicamente para permanecer no local

Carla OlivoPublicado em 11/10/2021 às 16:18Atualizado há 2 meses
Eisner Soares
Eisner Soares

Apesar do prazo de 10 dias concedido na semana passada pelo juiz Bruno Miano, da Vara da Fazenda Pública de Mogi das Cruzes, para desocupação voluntária da área na Vila São Francisco, as cerca de 270 famílias que ocupam o local desde março deste ano não pretendem deixar os barracos por elas ali montados.

“Estamos lutando juridicamente. O juiz determinou a saída voluntária, mas a nossa advogada conseguiu mais 20 advogados para trabalharem juntos em prol da ocupação, para fazer a nossa defesa juridicamente e tentar negociar com o prefeito. Não pretendemos sair de forma voluntária porque não faz sentido ocupar e sair sem nenhuma conquista ou inserção em projeto habitacional”, explica Luiz Ricardo Alves, 36 anos, representante do Movimento Ocupa Mogi - um trocadilho ao Vamos Ocupar a Cidade (VOC), do prefeito Caio Cunha (Podemos).

Segundo ele, desde 2013 não se faz programas de habitação popular na cidade e a área está abandonada há 38 anos, quando foi cedida para a empresa que até hoje não fez nada no local. “Enquanto isso, não temos onde morar, por isso ocupamos a área. Não é invasão, mas sim ocupação de uma área abandonada pelo Poder Público”, enfatiza.

Alves acrescenta que uma equipe da Prefeitura esteve no local há algum tempo, mas apenas para levantamento do número de pessoas de fora da cidade. “Aqui, 80% são de Mogi e não têm para onde ir. Já que está abandonada há tanto tempo, por que não fazer uma área habitacional ali, ainda mais diante da pandemia, que deixou muita gente desempregada e sem condições de pagar aluguel?”, questiona.

Nas redes sociais, a Prefeitura de Mogi das Cruzes postou no final da semana passada que, em parceria com a Secretaria de Assistência Social, o programa Mogi Conecta Emprego esteve na ocupação da Vila São Francisco, há um tempo atrás, para ajudar as pessoas a terem oportunidades para mudar de vida.

“Os profissionais fizeram currículos e realizaram encaminhamentos para entrevistas. A Prefeitura está trabalhando para encontrar formas de ajudar essas pessoas a deixarem a ocupação de forma segura e digna”, trouxe o texto publicado na página da Prefeitura na internet.

No vídeo, a secretária municipal de Assistência Social, Celeste Xavier, explica uma das visitas ao local. “Nós viemos aqui para conhecer a realidade social destas famílias  em situação de vulnerabilidade social”, disse.

No mesmo vídeo, a gestora do Mogi Conecta Emprego, Lilian Wuo, conta mais sobre a ação: “Já estamos entrando em contato com algumas empresas para realizarem entrevistas e processos seletivos com essas pessoas. Então, agora, a gente também depende do interesse deles de virem fazer este cadastramento e encaminhamento”.

Por ser ponto facultativo devido ao feriado, ao ser questionada sobre este processo, nesta segunda-feira (11), a Coordenadoria de Comunicação da Prefeitura disse que as informações são administrativas e a Prefeitura estava fechada, por isso, apenas seria possível responder nesta quarta-feira (13).

  

ÚLTIMAS DE Cidades