A Prefeitura de Mogi das Cruzes terá uma operação especial durante o feriado de Páscoa para a fiscalização sobre o cumprimento das restrições sociais necessárias para o enfrentamento da pandemia. O trabalho contará com reforço de funcionários na equipes de fiscais, com a participação da Guarda Municipal e apoio da Polícia Militar. Nesta quarta-feira (31), a Fase Crítica foi prorrogada na cidade até o dia 11 de abril.

O objetivo é evitar a ocorrência de aglomerações na cidade, comportamento de risco para a transmissão do coronavírus. Além disso, os fiscais também verificarão desrespeitos às regras da Fase Crítica quanto ao funcionamento de estabelecimentos.

O trabalho de fiscalização também fará o acompanhamento e o patrulhamento em locais com risco de ocorrência de aglomerações e dos chamados pancadões. Entre os pontos estão o Parque Olímpico, a Vila Nova Mogilar, os distritos de Jundiapeba e de César de Souza.

LEIA TAMBÉM: Fase crítica diminui contaminações; Leitos continuam ocupados

A população pode auxiliar neste trabalho com denúncias pelo telefone 153, da Central Integrada de Emergências Públicas (Ciemp), que atende 24 horas por dia.

Mogi das Cruzes enfrenta um momento difícil na pandemia. Nesta quinta-feira (1º), a cidade completou 21 dias com ocupação de 100% nos leitos de UTI. Por conta disso, leitos de reserva estão sendo usados. Nesta quarta-feira (31), a Fase Crítica foi prorrogada na cidade até o próximo dia 11. O objetivo é diminuir a circulação de pessoas pelas ruas e, com isso, a disseminação do coronavírus.

Outra medida que passou a ser adotada nesta semana pela Prefeitura e que terá continuidade durante o feriado são as barreiras sanitárias. Nesta sexta-feira (1º), o trabalho é desenvolvido na avenida Francisco Rodrigues Filho, no Botujuru. A via é o trecho municipal da rodovia Mogi-Guararema.

A ação foi iniciada nesta quinta-feira (31), com estruturas montadas na avenida Lourenço de Souza Franco, em Jundiapeba, e na avenida Engenheiro Miguel Gemma, o prolongamento da rodovia Mogi-Salesópolis. Foram 1.811 veículos orientados, com 3.622 pessoas. Destes, 63 veículos retornaram a seus pontos de origem.

O foco principal das barreiras sanitárias é o de orientação aos motoristas e passageiros, além de levantamento de informações e dados sobre a movimentação de pessoas. É feita a medição de temperatura dos ocupantes, bem como a orientação sobre a atual situação do município, quanto às restrições sociais e o estágio da pandemia e ocupação dos leitos, e sobre segurança sanitária.