QUARENTENA

Condemat aponta dados e reforça pedido de reanálise da classificação da região para retomada econômica

DIA NORMAL No início da tarde de ontem, o movimento de veículos e de pedestres na região central em nada lembrou a vigência da quarentena. (Foto: Eisner Soares)
DIA NORMAL No início da tarde de ontem, o movimento de veículos e de pedestres na região central em nada lembrou a vigência da quarentena. (Foto: Eisner Soares)

O Consórcio de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê (Condemat) apresentou ontem ao governador João Doria (PSDB) um estudo atualizado com indicadores sobre a evolução dos casos e estrutura hospitalar oferecida pela região para o atendimento de Covid-19, com pedido para que o Estado reavalie a possibilidade de elevar a classificação da região para a fase dois no Plano de Retomada Consciente, que permite a flexibilização imediata de algumas atividades.

O documento, entregue pelo presidente do Condemat, Adriano Leite (PL), e o prefeito de Suzano, Rodrigo Ashiuchi (PL), apresenta dados mais próximos do que efetivamente está em operação nas cidades para o enfrentamento da pandemia. O Alto Tietê, a princípio, está na fase vermelha, que é a mais restritiva.

Adriano Leite, prefeito de Guararema, alega que existe a possibilidade de promover a abertura seguindo os protocolos de segurança. “A quarentena se mantém até porque há uma situação de saúde ainda muito preocupante, mas entendemos que é possível o Alto Tietê avançar para uma nova fase, mais condizente com a realidade atual das nossas cidades”, disse o presidente.

Apesar de apresentar dados que indicam que a região tem leitos suficiente de Covid-19 em operação com o que consta na base oficial, o documento cobra investimentos prometidos para ampliação de UTI nos hospitais estaduais do Alto Tietê, além do envio de respiradores para aumento da capacidade nos serviços municipais. A região, segundo o consórcio, tem cerca de 340 leitos de UTI para pacientes com Covid-19 (públicos e privados).

“É fundamental que o Estado também agilize o envio de respiradores para leitos municipais que só dependem do equipamento para funcionar e efetive a ampliação de UTI nas unidades estaduais. Isso permitirá um acréscimo de pelo menos mais 80 leitos para o Alto Tietê e dá maior suporte para uma nova fase da quarentena”, enfatizou o presidente.

O documento informa ainda que o Alto Tietê registrou aumento de 1,29% nos casos, o que foi menos do que o 1,33% registrado na semana anterior. “Todos os esforços são para que o Alto Tietê possa mudar de fase mantendo o controle na evolução da doença”, concluiu o presidente.

O ofício do Condemat foi entregue também ao vice-governador Rodrigo Garcia; aos secretários José Henrique Guermann (Saúde) e Marco Vinholi (Desenvolvimento Regional); e à secretária de Estado de Desenvolvimento Econômico, Patrícia Ellen. O material deve ser analisado pelo Centro de Contingência do Coronavírus, o qual fará a primeira revisão de classificação das regiões amanhã, com o resultado divulgado na quarta-feira.

.

O prefeito Marcus Melo (PSDB) afirma que Mogi das Cruzes está preparada para iniciar ainda nesta semana a reabertura de alguns setores da economia, caso o Estado aprove o projeto de flexibilização apresentado ontem pelo Consórcio de Desenvolvido dos Municípios do Alto Tietê (Condemat), com indicadores que comprovam que a região tem estrutura para passar do nível 1 (vermelho) para o nível 2 (laranja), dentro da proposta de retomada consciente – Plano São Paulo -, que estabelece as fases para a retomada das atividades. Se isso acontecer, a cidade estará autorizada a abrir escritórios, imobiliárias, comércios e shoppings. A resposta do governo ao pedido de reavaliação do reenquadramento deverá ser divulgada até amanhã. A expectativa do Condemat é que o Alto Tietê avance para a fase laranja e, assim como a Capital, possa iniciar o processo gradual de retomada econômica.

“As expectativas são positivas, principalmente depois da divisão dos municípios da Grande São Paulo, em regiões separadas, o que permite que as cidades do Alto Tietê tenham uma avaliação independente das demais e possa avançar para outras fases”, destaca. O prefeito afirma que Mogi atende todos os critérios, tanto no que se refere à disponibilidade de leitos. Ontem, a ocupação era de 59% na UTI e 73% enfermaria.

Basta esse sinal verde do Estado, segundo Melo, para a cidade iniciar a abertura dos setores autorizados, porque a maioria deles já elaborou os planos de contingência, horários, protocolo de segurança, entre outros pontos. Ele admite que ainda há riscos de aumento da pandemia na cidade. Por isso, alerta a população sobre a necessidade de manter o isolamento social. Ontem, o prefeito fez um novo exame para se certificar se já está livre do vírus. O resultado deve sair nas próximas horas.


Deixe seu comentário