ARTIGO

Contação de mentiras

João Anatalino Rodrigues

Mark Twain, famoso escritor norte-americano era admirado também pelo seu humor, a ponto de ser considerado o maior humorista americano de seu tempo. Uma das suas especialidades era a contação de mentiras. Em um concurso de mentirosos, um dos participantes contou que em sua cidade havia uma caverna com um eco tão poderoso que a pessoa chegava na entrada, dizia uma palavra e o eco a reproduzia cem vezes. Outro concorrente disse que na sua cidade também havia um eco tão poderoso que repetia quinhentas vezes a palavra dita. Então Mark Twain entrou com a sua, dizendo que o eco que havia na cidade dele era melhor porque se alguém gritasse, “Olá, você está bem?”, ele respondia mil vezes: “Eu estou ótimo, e você”? Essa anedota me veio à tona lendo e ouvindo as noticias que correm sobre o atual momento político. Parece um festival de contação de mentiras. De um lado não há pandemia, nem mortes, nem falta de recursos para a saúde, nem atentados à democracia. E nem corrupção. No governo Bolsonaro, todo mundo virou, de repente, discípulo de Catão. De outro, é o apocalipse chegando. E o presidente é a Besta.

À direita ou à esquerda é a mesma guilhotina nos esperando. As mentiras são repetidas milhares de vezes, num terrorismo semântico à maneira de Goebbels, o ministro da Propaganda de Hitler.

Estamos vivendo tempos difíceis. Tempos bicudos, em que a tempestade fica cada dia mais forte e nenhuma ilha aparece ao largo, onde o navio possa ser fundeado. E ele está sem capitão.

Só nos resta fazer como os antigos argonautas da lenda grega. Se os ventos não sopram a nosso favor, peguemos todos nós remos e rememos. Só a força dos nossos braços poderá nos tirar desse mar tenebroso.

Aos remos, marujada! Não esperemos por nenhum Messias para nos guiar. Esse personagem não existe, ou se existe ele já veio e nós o pusemos em uma cruz para morrer. Dizem que ele voltará, um dia. Mas do jeito que a coisa está, isso também pode ser uma “fake news”. Pois sendo ele o que é, duvido que queira tentar outra vez depois de ver no que deu o resultado do seu sacrifício. A propósito, alguém também já disse que quem vive à espera de um salvador não merece ser salvo.

João Anatalino Rodrigues é escritor e preside a Apae de Mogi das Cruzes


Deixe seu comentário